Críticos de Jair Bolsonaro passam a integrar “lista vermelha”

Nela estão personalidades como o roqueiro Roger Waters, a cantora Madonna e até Le Pen e o Papa

Bolsas e conjuntura/N@ Web / 11 de outubro de 2018
Por 


Críticos de Jair Bolsonaro passam a integrar “lista vermelha”

Ilustração: Rodrigo Auada

O resultado do primeiro turno das eleições deixou muitos brasileiros preocupados com a possibilidade de Jair Bolsonaro — que, além de elogiar torturador, não demonstra respeito por mulheres ou homossexuais — se tornar presidente do Brasil. O mercado, contudo, pareceu não se importar muito com as ideias radicais do capitão, apostando em sua promessa de reformas liberalizantes. No dia seguinte ao resultado, a bolsa subiu e o dólar caiu.

O filósofo Francis Fukuyama, conhecido liberal, usou seu Twitter pessoal para se declarar preocupado com o fato de “brasileiros educados” e investidores estarem apoiando o candidato, e perguntou: “a democracia brasileira pode ser salva?”. O tuíte obteve inicialmente 78 respostas, muitas dizendo que o intelectual estava desinformado e que não sabia do que estava falando. Mas foi o seguinte tuíte que viralizou: “muitos brasileiros pensam que sou comunista porque demonstrei preocupação com a presidência de Bolsonaro. E vocês acham que os americanos são polarizados…” A postagem foi retuitada pelo menos 6 mil vezes e gerou centenas de respostas.

Depois do episódio, Fukuyama passou a integrar uma lista informal que corre a internet, que inclui personalidades e veículos de comunicação taxados de comunistas por se manifestarem contra Bolsonaro. Fazem parte desse rol a revista britânica The Economist, o roqueiro Roger Waters, a cantora Madonna e até o Papa e a representante da extrema-direita francesa Marine Le Pen.


Leia também

O que esperar do próximo presidente? 

“O mundo não vai ajudar o próximo presidente”, diz Tony Volpon 

 




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  eleições 2018 jair bolsonaro Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Empresas temem regras do governo chinês para segurança tecnológica
Próxima matéria
CVM propõe alterações em 14 instruções



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Empresas temem regras do governo chinês para segurança tecnológica
A partir de 1º de novembro, o governo chinês terá o poder de acessar remotamente os servidores de empresas privadas...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}