Bancos para quê?

IPO do Spotify provoca debate sobre eventual obsolescência dessas instituições

Companhias abertas/N@ Web / 6 de abril de 2018
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

O serviço de streaming de música Spotify estreou na Bolsa de Nova York (Nyse) na última terça-feira, avaliado em 26,5 bilhões de dólares. A listagem foi peculiar para uma empresa desse porte, por não ter seguido os passos de um IPO tradicional, que envolve a contratação de bancos para a fixação do preço do papel. A companhia dispensou esse processo e causou furor. “Se mais companhias optarem pela listagem direta vão ameaçar a galinha dos ovos de ouro dos bancos, que são as taxas que cobram de empresas que fazem IPO”, observou um usuário do Twitter. A obsolescência dos bancos de investimento nas listagens em bolsa, aliás, foi a aposta de muitos usuários do Twitter após o sucesso da oferta do Spotify. Em seu perfil nessa rede social, a Nyse deu bastante destaque ao evento e escreveu: “O Spotify optou pela listagem direta porque acredita que sua marca reconhecida, escala global, modelo de negócios e cultura de transparência vão torná-la uma grande empresa, cujas ações terão preços definidos por si só”.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  IPO Bancos Spotify Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Genética sustentável
Próxima matéria
Cheios da grana



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Genética sustentável
“Vocês saem de casa antes do amanhecer e só retornam quando está escuro. Embora trabalhem muitas horas por dia,...