Tráfico de seres humanos na pauta

Um projeto de lei apresentado à Câmara dos Deputados dos Estados Unidos pretende obrigar grandes companhias de capital aberto a divulgar quais medidas vêm tomando para assegurar que suas cadeias de fornecedores não estão envolvidas com o tráfico de seres humanos e trabalho escravo ou infantil. Se o …

Internacional/Edição 145 / 1 de setembro de 2015
Por 


1

Ilustração: Marco Mancini/Grau180.com

Um projeto de lei apresentado à Câmara dos Deputados dos Estados Unidos pretende obrigar grandes companhias de capital aberto a divulgar quais medidas vêm tomando para assegurar que suas cadeias de fornecedores não estão envolvidas com o tráfico de seres humanos e trabalho escravo ou infantil.

Se o projeto for aprovado, empresas com mais de US$ 100 milhões em receita bruta global terão que descrever as políticas adotadas para prevenir esse tipo de abuso em seu relatório anual. As informações deverão ganhar destaque nos websites das companhias, bem como no portal da Securities and Exchange Commission (SEC).

A apresentação do projeto de lei coincide com a publicação, pelo Departamento de Estado americano, do 2015 Trafficking in Persons Report. O relatório faz um apelo para governos exigirem das empresas mais transparência sobre o que fazem para combater o tráfico de seres humanos. “Algumas empresas podem praticar conscientemente esse crime; outras são ignorantes sobre onde e como seus produtos baratos são feitos”, observa o congressista Chris Smith. No ano passado, o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos identificou 136 produtos de 74 empresas produzidos por meio de trabalho forçado ou infantil.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ofertas de DRs caem pela metade
Próxima matéria
BNY paga US$ 148 milhões para encerrar acusação



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Ofertas de DRs caem pela metade
No mundo, 21 ofertas de depositary receipts (DRs) captaram US$ 3,8 bilhões no primeiro semestre deste ano, de acordo com dados...