Suprema Corte dos EUA deve esclarecer o que é insider trading

A Suprema Corte americana começou, no último dia 5, a análise de um caso que deve esclarecer quando alguém pode ser criminalmente responsabilizado pela negociação de valores mobiliários com informação privilegiada. No processo conhecido como “Salman versus United States”, Bassam Salman é acusado de …

Seletas/Internacional/Edição 52 / 14 de outubro de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A Suprema Corte americana começou, no último dia 5, a análise de um caso que deve esclarecer quando alguém pode ser criminalmente responsabilizado pela negociação de valores mobiliários com informação privilegiada. No processo conhecido como “Salman versus United States”, Bassam Salman é acusado de ter lucrado US$ 1,5 milhão com a compra de ações em 2007, depois de ter recebido dicas de seu cunhado Maher Kara, então funcionário do Citigroup.

A defesa de Salman alega que a acusação precisa provar que Kara obteve benefício tangível com a revelação de informações confidenciais ao seu cunhado. Os promotores, contudo, argumentam que não. De acordo com eles, Salman deve ser condenado mesmo que seu cunhado tenha lhe passado informações sem receber nada em troca.

A avaliação da Suprema Corte é acompanhada de perto pelos participantes do mercado de capitais americano. Até hoje, não há completa clareza a respeito das situações nas quais o crime de insider trading fica caracterizado e nem sobre o que a acusação deve ser obrigada a provar em casos desse tipo. Uma decisão da Suprema Corte de 1983 fundamenta a confusão: o juiz sentenciou que, para a configuração do crime de insider, é necessário que a pessoa que vazou a informação tenha se beneficiado pessoalmente; mas, em determinado ponto da sentença, o mesmo magistrado argumentava ser suficiente que o insider tenha vazado a informação privilegiada como “um presente” a um amigo ou parente.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Insider trading informação privilegiada Suprema Corte americana informações confidenciais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Assembleia da Saraiva divide colegiado da CVM
Próxima matéria
Cinco obstáculos limitam o avanço do private equity no Brasil



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Assembleia da Saraiva divide colegiado da CVM
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) teve papel determinante na assembleia da Saraiva realizada no último dia 26. Originalmente,...