Retorno do private equity é ameaçado por shadow capital, dizem investidores

Para 64% dos investidores institucionais que aplicam em private equity, formas de investimento alternativas vão prejudicar os retornos desses fundos, o que faz o chamado “shadow capital” emergir como um dos principais concorrentes das gestoras. A conclusão está no levantamento Global Private Equity …



Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Para 64% dos investidores institucionais que aplicam em private equity, formas de investimento alternativas vão prejudicar os retornos desses fundos, o que faz o chamado “shadow capital” emergir como um dos principais concorrentes das gestoras. A conclusão está no levantamento Global Private Equity Barometer 2016, produzido pela Coller Capital, firma especializada em investimentos secundários no mercado de capital de risco. A pesquisa ouviu 110 investidores.

É cada vez mais comum os investidores formarem grupos para coinvestir em um ativo ou mesmo para aportar recursos diretamente nas companhias que lhe interessam. Esse conjunto de alternativas de investimento entra no guarda-chuva do shadow capital — termo que, de forma geral, designa transações financeiras que acontecem à margem de bancos e fundos regulados, mas que não são ilegais. A pesquisa da Coller Capital dá indícios da razão por que essa forma de investimento vem ganhando força: 63% dos entrevistados disseram que seus coinvestimentos tiveram performance melhor que a dos fundos de private equity em geral.

A pesquisa também mostrou que 69% dos investidores institucionais acreditam que a imprevisibilidade e a volatilidade do mercado têm tornado mais difícil tomar decisões de investimento. Porém, apesar da atratividade do shadow capital e da cautela diante dos prognósticos econômicos, a maioria (79%) não pretende mudar a estratégia de investir por meio de fundos de private equity nos próximos dois anos, enquanto 9% planejam aumentar os recursos destinados a esse tipo de veículo.

Os achados da pesquisa da Coller convergem com os dados publicados em novembro de 2015 pela Triago e abordados na edição 14 de SELETAS. De acordo com a firma especializada em assessoria para fundos de private equity, o valor captado por meio de shadow capital em 2015 subiu cerca de 155%, de uma média anual de US$ 63 bilhões entre 2009 e 2014 para US$ 161 bilhões. Já a captação dos fundos de private equity somou US$ 468 bilhões no ano passado, montante 57% superior à média obtida nos cinco anos anteriores (US$ 298 bilhões).


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  private equity Internacional shadow capital investidores internacionais Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Hora da verdade
Próxima matéria
CAF nega associação entre decisão sobre JBS e caso Oi



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Hora da verdade
Se o mote do mercado de capitais é a transparência, nada mais lógico do que o órgão regulador fazer uso dessa limpidez...