Reguladores identificam falhas em 42% das auditorias inspecionadas

Seletas / Internacional / Edição 75 / 20 de abril de 2017
Por 


 

As últimas semanas não foram das melhores para auditorias independentes. A KPMG dos Estados Unidos anunciou, no último dia 11, ter demitido seis funcionários: o sócio-líder da área de auditoria, quatro outros sócios e um funcionário. A empresa descobriu por meio de uma fonte interna que o grupo estava recebendo informações a respeito de futuras inspeções do Public Company Accounting Oversight Board (PCAOB), órgão regulador das auditorias americanas. As informações eram dadas por uma pessoa contratada pela KPMG que antes havia trabalhado no PCAOB.

Pouco antes disso, o International Forum of Independent Audit Regulators (Ifiar), organização que congrega supervisores de auditorias de vários países, incluindo o PCAOB, divulgou os resultados de um levantamento sobre a qualidade do trabalho de seus regulados em 2016, baseado em respostas de 36 de seus 52 membros. Foram encontradas falhas em 42% dos trabalhos inspecionados — percentual que o Ifiar considerou inaceitavelmente alto. O número, entretanto, está em linha com a pesquisa divulgada um ano antes, relativa às inspeções de 2015. Nela, o Ifiar identificou falhas em 43% das inspeções.

Os temas que apresentaram mais erros foram estimativas de auditoria (incluindo avaliação de valor justo), teste de controles internos, amostragem de auditoria e reconhecimento de receita. A associação afirmou que a responsabilidade é das empresas de auditoria e chamou a atenção de Deloitte, EY, KPMG, PwC, BDO e Grant Thornton, as maiores do mundo no setor, dizendo que espera que elas consigam reduzir significativamente a quantidade de erros até 2019.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  PCAOB PwC Deloitte Auditoria KPMG EY vazamento de informações Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Nada como um imposto sobre o patrimônio, inconstitucional e universal
Próxima matéria
As vantagens de uma escolha adequada da câmara arbitral




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Nada como um imposto sobre o patrimônio, inconstitucional e universal
Imagine que você aplicou R$ 1 milhão durante o ano de 2016, teve apenas R$ 62,8 mil de valor produto como rendimento...