Participação de fundos em empresas concorrentes entra no radar da Justiça americana

Investidores institucionais costumam diversificar seus investimentos, comprando posições, em geral minoritárias, em diferentes negócios. Mas existe algum problema se um fundo decidir adquirir participações minoritárias em todas as companhias de um setor muito concentrado? Para o departamento de …

Seletas/Internacional/Edição 26 / 15 de abril de 2016
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Investidores institucionais costumam diversificar seus investimentos, comprando posições, em geral minoritárias, em diferentes negócios. Mas existe algum problema se um fundo decidir adquirir participações minoritárias em todas as companhias de um setor muito concentrado? Para o departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ), há grandes chances de essa prática prejudicar a concorrência — uma investigação já chegou a ser aberta para apuração desse tipo de caso.

No fim de março, o procurador do DOJ William Baer anunciou que o órgão está analisando a propriedade cruzada de investidores institucionais em vários segmentos — entre eles o de companhias aéreas.

No blog de governança corporativa da Harvard Law School, pesquisadores citaram um trabalho acadêmico recente que identificou uma correlação entre a propriedade cruzada de empresas aéreas por investidores institucionais e o aumento dos preços das passagens. A conclusão é que as companhias têm menos incentivo para competir quando compartilham sócios minoritários relevantes com seus concorrentes. As empresas preferem, nesse contexto, cobrar tarifas mais altas — o que beneficia a indústria como um todo e mantém os acionistas contentes, em detrimento dos consumidores.

Em coluna no DealBook, do jornal The New York Times, o professor de direito Steven Davidoff Solomon ponderou que essa correlação talvez não seja tão simples quanto possa parecer. Grandes investidores institucionais, como BlackRock ou Vanguard, não se destacam por ter uma gestão ativa nas companhias nas quais investem e muito provavelmente não chegam ao ponto de influenciar a decisão de preço tomada pelas diretorias das empresas. O mais provável, acredita Solomon, é que as companhias se sintam mais confortáveis em não competir entre si — afinal, elas sabem que seus acionistas minoritários relevantes não vão desafiá-las a adotar outra postura, já eles que são fundos passivos.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Internacional investidores institucionais Participação em empresas concorrentes Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
BNDES respondão
Próxima matéria
Acabou o glamour



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
BNDES respondão
O perfil do BNDES no Twitter tem sido especialmente ativo ultimamente — passa os dias respondendo a acusações e críticas...