Organizações globais querem “reset” no sistema financeiro

Ideia de Banco Mundial, OCDE e ONU é fazer da sustentabilidade um pilar de um novo sistema

Bolsas e conjuntura/Internacional / 31 de maio de 2019
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Importantes instituições globais, como o Banco Mundial, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o Programa Ambiental da ONU, se uniram num movimento que pretende transformar a sustentabilidade em um pilar central de um novo sistema financeiro. Os três grupos estão elaborando uma agenda para que governos de todo o mundo alinhem seus fluxos de capital a metas climáticas e de desenvolvimento.

As organizações dizem que é preciso dar um “reset” no sistema financeiro, levando-o a se alinhar à preocupação com riscos ambientais e à identificação de oportunidades de longo prazo relacionadas ao clima. As metas são consertar incentivos subvertidos, aumentar a transparência sobre o assunto e mudar as estruturas de precificação de ativos. Dessa forma, o fluxo de investimentos para alternativas de infraestrutura que emitam pouco carbono pode aumentar.

Outros grupos também estão fazendo esforços institucionais para que as empresas passem a se preocupar mais com fatores ESG (sigla em inglês para indicadores ambientais, sociais e de governança). A Sustainability Accounting Standards Board (Sasb), organização que dissemina padrões de contabilidade sustentável, por exemplo, lançou em novembro passado 77 orientações específicas para que companhias deem transparência adequada aos riscos ambientais de seus negócios.


Leia também

Nas mãos do consumidor: As respostas das companhias tradicionais às mudanças de comportamento das novas gerações

David Shammai, da Morrow Sodali, elenca prioridades de investidores

O peso dos incentivos errados na tragédia de Brumadinho


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  OCDE ESG Banco Mundial Sustainability Accounting Standards Board (Sasb) Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Como o alinhamento contábil favorece os planos de desestatização
Próxima matéria
CVM exige que Empiricus preste informações para apuração de irregularidades



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Como o alinhamento contábil favorece os planos de desestatização
O arrojado plano de privatizações, parcerias público-privadas (PPPs) e concessões sinalizado pelo Ministério da Economia...