Moeda ou valor mobiliário?

ICOs entram na mira do regulador de Hong Kong

Bolsas e conjuntura / Internacional / 10 de setembro de 2017
Por 


 

Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

A Securities and Futures Commission (SFC), reguladora do mercado de capitais de Hong Kong, anunciou na terça-feira, 5 de setembro, que ofertas iniciais de moedas digitais (ICO, na sigla em inglês) podem ser consideradas emissões de valores mobiliários, dependendo de suas características.

As ICOs costumam ser feitas por startups do setor financeiro que desejam captar recursos. Para tanto, essas empresas emitem tokens digitais, ofertados como uma nova criptomoeda, em geral em troca de bitcoins, a moeda digital mais famosa e líquida do momento. Na visão da SFC, se esses tokens garantirem participação no projeto da startup e concederem direitos ao comprador, como o recebimento de dividendos, eles se assemelham a ações e, portanto, a oferta desses ativos deve estar sob sua alçada e ser alvo de regulamentação.

Dadas as particularidades das ICOs, em caso de dúvidas a SFC recomenda que as startups busquem assessoria profissional. Ela também alerta para o risco de os recursos captados nas emissões serem usados para fins ilegais, como financiar  grupos terroristas.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Captação de Recursos SEC mercado de capitais moeda digital ICO Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Sua empresa está preparada para as novas normas contábeis?
Próxima matéria
Número de CEOs afastados de empresas por desvios éticos cresceu 36% nos últimos 5 anos, mostra estudo da consultoria Strategy&




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Sua empresa está preparada para as novas normas contábeis?
Em 1º de janeiro de 2018, dois novos pronunciamentos contábeis entrarão em vigor e vão modificar as normas para o reconhecimento...