Incertezas mantêm investidor reticente com energia renovável



Produtoras de energia oriunda de fontes alternativas, como sol e vento, estão entre as empresas favoritas dos investidores socialmente responsáveis (SRI). Em 2013, elas captaram US$ 250 bilhões em todo o mundo; neste ano, o montante deve se repetir. A partir de 2015, contudo, deve cair e se estabilizar em cerca de US$ 230 bilhões. Os dados são da International Energy Agency, organização formada por 29 países, entre eles Estados Unidos, Reino Unido e Japão.

A previsão acontece a despeito dos preços cada vez mais competitivos da energia renovável e do aumento de sua parcela na quantidade total de energia produzida no mundo. Em 2007, ela representava 18%; hoje, atinge 22%. Entre os motivos do prognóstico está a incerteza quanto ao sucesso dos negócios a longo prazo. É difícil estimar ganhos de escala e presumir em quanto tempo ocorrerão. O risco mais considerável, entretanto, é político. O investidor prefere esperar para ver que rumos as nações vão tomar em termos regulatórios.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais IEA energias renováveis International Energy Agency SRI investimentos socialmente responsáveis Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Uma década de PPPs
Próxima matéria
Sob sanções do Ocidente, Gazprom foge para Hong Kong



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Uma década de PPPs
Em dezembro, a Lei 11.079, que instituiu a parceria público-privada (PPP), completa dez anos. Criada para tirar do papel...