Hackers roubam US$ 1,2 bilhão de empresas com novo golpe

Os hackers continuam a fazer a “festa” no mundo corporativo. Depois de vazarem e-mails constrangedores e de roubarem dados de clientes, agora eles miram as contas bancárias das empresas, relata a revista Corporate Secretary. O novo esquema consiste no envio de e-mails para CEOs e outros diretores …



Ilustração: Grau 180.com.

Ilustração: Grau 180.com.

Os hackers continuam a fazer a “festa” no mundo corporativo. Depois de vazarem e-mails constrangedores e de roubarem dados de clientes, agora eles miram as contas bancárias das empresas, relata a revista Corporate Secretary. O novo esquema consiste no envio de e-mails para CEOs e outros diretores de alto escalão com mensagens pessoais, como listas de presente de casamento. Quando o destinatário clica no link, os invasores passam a monitorar sua atividade. Oportunamente, eles usam o e-mail do executivo para pedir ao departamento de contabilidade das empresas que transfira dinheiro para suas contas. Segundo o FBI, US$ 1,2 bilhão foram roubados dessa forma em todo o mundo nos últimos nove meses. Em entrevista à Corporate Secretary, um especialista em segurança de redes afirma que os invasores obtiveram sucesso em 30% das tentativas.

O golpe é mais uma preocupação para as grandes corporações, que são constantemente atacadas por hackers. No fim de outubro, a empresa de telecomunicações britânica TalkTalk admitiu ter sofrido uma invasão que pôs em risco dados de milhões de clientes, informou o jornal The Guardian. Já no último dia 10, nos Estados Unidos, três homens foram acusados de invadir os sistemas de dez grandes empresas, entre elas o banco J.P. Morgan e o Wall Street Journal.

Estima-se que informações pessoais de 100 milhões de clientes tenham sido roubadas durante os ataques cibernéticos ocorridos entre 2012 e junho de 2015, relata o Financial Times. Segundo os investigadores, os responsáveis pelas invasões são líderes de uma rede criminosa atuante em pelo menos uma dúzia de países e com centenas de integrantes.

Esses são os últimos capítulos de uma história que se repete e que parece estar longe do fim. Outras vítimas notáveis de recentes ataques cibernéticos foram a Sony, em outubro de 2014, e o site de encontros extraconjugais Ashley Madison, em agosto deste ano.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  hackers Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM barra selo de governança para ações superpreferenciais
Próxima matéria
Colaboradores satisfeitos, atratividade reforçada



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
CVM barra selo de governança para ações superpreferenciais
Pela primeira vez, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) barrou uma alteração nas regras dos regulamentos diferenciados...