Diretores estão na mira de acionistas americanos

Desde 2015, a briga de acionistas de companhias americanas para indicar conselheiros vem se intensificando. Neste ano não deve ser diferente, e as empresas que ainda não modificaram seus estatutos para dar esse direito aos sócios serão pressionadas a fazê-lo. É o que indica um levantamento feito …

Seletas/Internacional/Edição 72 / 1 de abril de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Desde 2015, a briga de acionistas de companhias americanas para indicar conselheiros vem se intensificando. Neste ano não deve ser diferente, e as empresas que ainda não modificaram seus estatutos para dar esse direito aos sócios serão pressionadas a fazê-lo. É o que indica um levantamento feito pela consultoria de voto Institutional Shareholder Services (ISS) divulgado em 27 de março.

De acordo com a pesquisa, também devem ter destaque na temporada de assembleias de 2017 assuntos como composição dos conselhos, responsabilidade dos administradores e prestação de contas dos conselheiros. Na visão da ISS, a busca dos investidores por conselhos mais representativos deve resultar em várias campanhas de acionistas contra a administração das empresas.

A ISS também identificou as principais tendências das assembleias nos Estados Unidos, no Canadá, na América Latina e no Brasil. Enquanto nos Estados Unidos os investidores buscam conselhos diversificados — que abarquem profissionais com diferentes etnias, habilidades e experiências —, por aqui os minoritários ainda dão os primeiros passos para serem representados no board e em comitês. Outro ponto curioso é que os americanos estão cada vez mais impacientes com empresas que impõem restrições a propostas de mudanças em seus estatutos sociais, enquanto no Brasil a peleja ainda é por mais transparência e facilidade para se votar a distância em assembleias.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração ISS investidores americanos acionistas americanos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Acordos controversos
Próxima matéria
Mercados Derivativos – Conceitos e Procedimentos Operacionais



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Acordos controversos
Diretor jurídico do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), Matheus Corredato lembra do esforço que fez em uma certa...