Em busca de negócios disruptivos

Bimestral / Informe / Edição 152 / 31 de outubro de 2016
Por , e    /    Versão para impressão Versão para impressão


Grandes companhias dependem de soluções inovadoras para acessar novos mercados ou obter vantagens competitivas — e, para gerar inovação, têm áreas próprias de pesquisa e desenvolvimento. Algumas, porém, saem de seu pequeno (ou grande) mundo e vão procurar o que precisam fora de casa. O corporate venture é uma das modalidades dessa busca externa e permite às grandes corporações mapear, acessar e investir em startups com o fim de conhecer e/ou desenvolver novas tecnologias e, na maioria dos casos, obter retorno financeiro.

Existem diversos tipos de programas de corporate venture. Alguns são estruturados de forma que a companhia adquira equity na startup; em outros, há apenas a aproximação entre as empresas — a consolidada usa seu poder de mercado (marca e rede de fornecedores ou consumidores) para alavancar a iniciante; ou, ainda, forma-se um programa de aceleração de startups. Na maiora deles, entretanto, a grande companhia quer que o negócio da startup se desenvolva, seja testado no mercado e possa ser em algum momento incorporado ou usado na evolução de suas próprias operações.

O desenvolvimento do mercado de um produto ou serviço inovador envolve agilidade e alto risco financeiro. Algumas grandes corporações, com suas estruturas de governança e práticas consolidadas, têm muita dificuldade em implementar soluções inovadoras internamente. Note-se que decisões rápidas são difíceis diante da burocracia e da hierarquia das empresas, e o uso de recursos humanos e financeiros para a atividade inovadora pode comprometer as operações originais. Já as startups são por natureza ágeis, dinâmicas e informais. Assim, a aproximação ou o investimento em startups é uma ótima solução para essa dificuldade das grandes, quando se fala em inovação.

No entanto, há diversas empresas ainda não preparadas para o corporate venture. A inovação deve estar no DNA da corporação e na consciência de seus dirigentes, para que ela possa se beneficiar das sinergias com o negócio da startup. Caso contrário, em uma simples troca de gestão, programas e contatos com as iniciantes podem ser abandonados. Para se assegurar relacionamentos sólidos, é recomendável que os negócios envolvidos em corporate venture de alguma forma se relacionem com o core business da corporação e que ela indique uma de suas unidades de negócios para adotá-lo.

É necessária, ainda, uma diferenciação entre corporate venture e o venture capital tradicional. Em geral, o corporate venture tende a ter mais paciência para nutrir e fazer crescer as startups, já que não há prazos predefinidos para se fechar um fundo. O corporate venture também pode adquirir vantagens indiretas da startup, como acesso a uma propriedade intelectual ou novas maneiras de abordagem de clientes. As diferenças podem causar conflitos quando uma startup tem investidores dos dois tipos — é necessário um bom alinhamento entre eles desde o início.

Quanto ao futuro do corporate venture: acreditamos na modalidade como um importante meio de inovação para muitas grandes empresas. O potencial é muito alto quando pensamos nas mudanças que hoje as startups já provocam. Apostamos que um grande número de empresas querem estar um passo à frente e, por isso, vão investir em seus programas de desenvolvimento de startups. Porém, o sucesso requer tratamento do corporate venture como um importante pilar estratégico, com a efetiva alocação de recursos financeiros e humanos para se escolher, nutrir e incorporar as inovações geradas por suas startups.

Rodrigo Menezes (rodrigo.menezes@derraik.com.br), Pedro Ferreira (pedro.ferreira@derraik.com.br) e Ana Paula Kleindienst (ana.kleindienst@derraik.com.br) são advogados de Derraik & Menezes Advogados


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  venture capital investimento Derraik & Menezes Advogados inovação startup Rodrigo Menezes corporate venture Negócios disruptivos economia disruptiva Pedro Ferreira Ana Paula Kleindienst soluções inovadoras programas de aceleração risco financeiro Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Horizonte melhor para os FIPs?
Próxima matéria
Adaptação ao IFRS 9 impacta de maneira profunda as estruturas de controle de diversas áreas das organizações




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Horizonte melhor para os FIPs?
O ano de 2016 foi desafiador para a indústria de private equity. Entre janeiro e junho, as captações dos fundos de participações...