Opções de ações para executivos em baixa nos EUA

Governança/Edição 27 / 1 de novembro de 2005
Por 


Duas pesquisas divulgadas recentemente descrevem mudanças significativas na forma de remuneração dos administradores das companhias norte-americanas. Uma das pesquisas, realizada pela consultoria Watson Wyatt, mostrou um declínio de 60% nos últimos três anos no tamanho dos programas de opções de ações. Segundo o estudo, o valor econômico dos planos concedidos pelas maiores corporações dos EUA caiu de US$ 118 bilhões, em 2001, para US$ 51 bilhões, em 2004.

Segundo Ira Kay, diretor da consultoria, os resultados mostram que “o interesse pela utilização de opções de ações vem diminuindo, e que as empresas preferem utilizar outras formas de incentivos, como as ações restritas (com prazo mínimo ou determinadas condições para venda) e bônus atrelados a metas de longo prazo”. O trabalho constatou, ainda, que as companhias nas quais os CEOs possuem maior percentual de ações obtiveram retornos anuais de 13,1%, contra 8,3% naquelas em que os CEOs detinham baixo percentual. A maior participação acionária do CEO também foi associada a um melhor desempenho operacional, medido sob a forma de retorno sobre os ativos.

Outra pesquisa, esta realizada pela consultoria Frederic W. Cook & Co., analisou a remuneração dos conselheiros externos das 100 maiores empresas da Nyse e das 100 maiores da Nasdaq e constatou que aqueles que participam de comitês recebem mais que os outros conselheiros. A maior remuneração vai para os membros do comitê de auditoria. Outra descoberta é o crescimento da figura de um conselheiro líder, como forma de contrabalançar o poder do CEO (que geralmente também é o presidente do conselho nas empresas norte-americanas): 40 empresas da Nyse e 27 da Nasdaq declararam ter este tipo de conselheiro.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Os Economistas de Wall Street
Próxima matéria
Conselheiros se voltam às questões do negócio



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Os Economistas de Wall Street
Editar um livro com opiniões de diversos economistas não é tarefa corriqueira. O próprio JK Galbraith, um dos maiores...