Novo escândalo corporativo mostra omissão de CEO

Governança / Edição 28 / 1 de dezembro de 2005
Por 


No dia 10 de outubro, mais um mau exemplo de governança corporativa veio à tona no mercado norte-americano. A Refco, maior corretora independente de contratos futuros e commodities dos Estados Unidos, anunciou que havia omitido dívidas não-recuperáveis da ordem de US$ 430 milhões com o intuito de inflar suas demonstrações financeiras.

A Refco tinha uma carteira de dívidas não pagas por seus clientes, algumas datadas dos anos 90, que foram transferidas a uma empresa fechada sob controle de ninguém menos que o seu CEO e presidente do conselho, Phillip Bennett, sem que a operação jamais tivesse sido divulgada. A descoberta lançou uma série de novas suspeitas sobre a companhia.

Como resultado, Bennett se afastou de suas funções e foi preso na noite de 11 de outubro. Nos dias seguintes, o mercado puniu a companhia de forma severa: a negociação de suas ações foi suspensa pela Nyse no dia 13, após os papéis terem despencado 72% em três dias. Em 14 de outubro, duas de suas principais unidades de negócios, a Refco Securities e a Refco Capital Markets, cessaram suas operações.

Impressiona o fato de a corretora ter realizado uma oferta pública inicial de ações (IPO) há apenas dois meses, em agosto. Na ocasião, levantou US$ 530 milhões, dos quais 34% foram para Bennett, dono de um terço das ações da empresa. A Grant Thornton, responsável pela auditoria da Refco, havia reportado deficiências materiais no sistema de controles de internos, mas não as havia considerado merecedoras de uma investigação mais profunda. O Conselho de Supervisão das Práticas Contábeis (PCAOB) abriu um inquérito para avaliar o trabalho de auditoria realizado pela Grant Thornton. Os bancos que realizaram a operação de subscrição das ações da Refco no seu IPO foram o Credit Suisse, Goldman Sachs e Bank of América.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Noreen Culhane - Acesso para menores
Próxima matéria
Governança, da teoria à prática




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Noreen Culhane - Acesso para menores
 A New York Stock Exchange (Nyse) não viu o gostinho da retomada dos lançamentos de ações no mercado brasileiro...