Governance Metrics divulga novos ratings globais

Governança / Edição 26 / 1 de outubro de 2005
Por 


A agência de pesquisa e rating de governança corporativa Governance Metrics International (GMI) anunciou em meados de setembro o resultado da sua avaliação sobre a qualidade da governança corporativa de 3.200 companhias em todo o mundo. O sistema de rating utilizado pela empresa atribui nota de zero a dez pontos para cada empresa, com base em seis grandes categorias de análise: prestação de contas do conselho de administração, controles internos e transparência financeira, pacote de remuneração dos executivos, direitos dos acionistas, estrutura de propriedade e provisões contra aquisições hostis. Este foi o sexto ciclo geral de avaliação da agência ao longo de três anos.

O estudo revelou três resultados principais: 1) as empresas com piores ratings de governança apresentaram maior risco e pior desempenho de mercado do que as com melhores ratings; 2) as empresas com estrutura de propriedade concentrada apresentaram piores práticas de governança do que aquelas com estrutura de propriedade dispersa; 3) todas as empresas com pontuação máxima (nota 10,0) eram de países anglo-saxões.

Em relação ao primeiro resultado, a GMI construiu dois grupos de empresas: aquelas que tiraram nota maior que 9,0 e menor que 3,0 em pelo menos quatro dos seis ciclos de avaliação. Na seqüência, a agência observou importantes diferenças entre os dois grupos.

As empresas com boas práticas de governança tinham probabilidade menor de terem que refazer as demonstrações financeiras (5,7% contra 44,8% das empresas com más práticas), de estarem sujeitas a investigações contábeis (1,4% contra 31%), e de serem consideradas culpadas por fraudes contábeis (1,4% contra 38%). O estudo contatou também que as empresas com boas práticas de governança fazem menos transações com partes relacionadas (24,6% contra 69,0%), emitem múltiplas classes de ações com freqüência menor (2,9% contra 72,4%) e possuem maior proporção de conselheiros independentes nos seus conselhos (82% contra 56%). Por fim, as empresas do grupo com maior rating apresentaram um retorno total anual médio para seus acionistas de 15,9% no período de três anos, contra 8,7% no mesmo período das empresas com más práticas. Para fins de comparação, o retorno médio da S&P 500 foi de 11,9%.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Setor de agronegócio ganha nota promissória feita sob medida
Próxima matéria
Empresas conseguem mais prazo para a SOX




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Setor de agronegócio ganha nota promissória feita sob medida
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) regulamentou em agosto, por meio da Instrução 422, as Notas Comerciais...