Rupturas

O universo corporativo vem sendo continuamente chacoalhado por novos parâmetros. Maneiras mais simples e diretas de consumo de produtos e serviços desafiam os empresários a moverem-se rapidamente para adaptar seus negócios. A crise, por sua vez, impulsiona reflexões a respeito de formas mais …

Seletas / Editorial / Edição 36 / 24 de junho de 2016
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


O universo corporativo vem sendo continuamente chacoalhado por novos parâmetros. Maneiras mais simples e diretas de consumo de produtos e serviços desafiam os empresários a moverem-se rapidamente para adaptar seus negócios. A crise, por sua vez, impulsiona reflexões a respeito de formas mais eficazes de se atender o cliente. Em Grupo de Discussão sobre os negócios de ruptura promovido pela CAPITAL ABERTO, investidores fundamentalistas revelaram como essas empresas inovadoras têm influenciado suas análises. Capazes de modificar a lógica de setores inteiros em pouquíssimo tempo, os chamados modelos disruptivos podem impactar significativamente os negócios tradicionais — exatamente os que têm ações listadas na bolsa. Nesta edição de SELETAS, selecionamos algumas das melhores ideias levantadas pelos gestores ao longo do encontro.

Os conselhos de administração também são alvo dos efeitos dessa nova mentalidade. Em artigo nesta edição, a consultora Leila Loria explora a presença de mulheres nos boards. Em visita recente a Portugal, ela acompanhou a inserção do país no grupo de europeus que aderem à política de cotas como medida de transição. Graças a tais regras, essas sociedades dão nova cara aos conselhos de suas empresas e observam os resultados positivos da diversidade.

Ainda nesta SELETAS, a mais recente conquista da plataforma de negociação criada nos Estados Unidos para a promoção de um mercado justo, protegido das desigualdades causadas pelos robôs que viabilizam transações em alta frequência. No dia 17, a IEX ganhou autorização do regulador americano para se transformar em uma bolsa de valores. É o mercado ajustando os ponteiros da tecnologia, a fim de frear exageros que descaracterizem a essência das coisas — no caso das bolsas de valores, entenda-se essência como transparência e igualdade de oportunidades. Uma evidência de que os agentes selecionam quais rupturas valem a pena e se impõem a correção dos desvios quando eles acontecem.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO Seletas editorial simone azevedo Rupturas Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Novo Código Comercial abrirá portas para as joint ventures
Próxima matéria
Regulação ajuda?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Novo Código Comercial abrirá portas para as joint ventures
A abertura política dos estados culminou com a globalização cultural e também econômica, que permitiu a celebração...