Reparações

Há coisas erradas que demoram muito mais do que o razoável para serem percebidas. Ainda bem que, por alguma razão, chega o tempo em que a cegueira acaba. É o caso, por exemplo, da Operação Lava Jato, que desnudou para a sociedade brasileira e o mundo um ramificado esquema de corrupção na Petrobras …

Seletas/Editorial/Edição 16 / 10 de fevereiro de 2016
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Há coisas erradas que demoram muito mais do que o razoável para serem percebidas. Ainda bem que, por alguma razão, chega o tempo em que a cegueira acaba. É o caso, por exemplo, da Operação Lava Jato, que desnudou para a sociedade brasileira e o mundo um ramificado esquema de corrupção na Petrobras em que estão envolvidos não só executivos da companhia, mas também antes intocados caciques da política e do empresariado nacional.

No contexto do mercado de capitais, uma esperança de acerto de contas surgiu nesta semana: a CVM prometeu retomar as investigações sobre transações conduzidas pela Oi que, segundo investidores, arrancaram recursos da companhia em benefício dos sócios majoritários da telefônica. Se o inquérito prometido identificar irregularidades, a reparação será uma vitória para os investidores lesados e para todo o mercado.

Também nesta edição de SELETAS um desdobramento da reportagem iniciada na semana passada a respeito do voto do acionista sobre as contas da companhia. Um rápido levantamento feito pela jornalista Yuki Yokoi localizou acionistas que ignoram o artigo 115 da Lei das S.As., cuja redação visa impedi-los de votar as contas quando são também administradores da empresa. O ilícito, ao que parece, vinha sendo cometido sem consciência do que está disposto no diploma. Se o regulador avançar no tema, é possível que tenha chegado o tempo de reparar a incoerência. Seja mudando a prática ou a própria lei.

Ainda nesta edição, o saboroso texto do professor Eliseu Martins sobre os “pedalinhos”, outra prática pouco notada que, no seu tempo, ganhou as manchetes dos jornais — e agora pede reparação.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Campo aberto
Próxima matéria
Precisamos de um código único de governança?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Campo aberto
É grande a chance de um morador de Mogi das Cruzes, cidade da região metropolitana de São Paulo, subir todos os dias...