Obstáculos

Editorial / Edição 146 / 1 de novembro de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Crises costumam subir os véus. Impiedosas, expõem defeitos antes camuflados pela maquiagem da prosperidade. Tem sido assim no Brasil. Obstáculos estruturais são destapados nas vias que interligam os setores público e privado, como mostram algumas reportagens desta edição.

Quebradas, milhares de empresas recorrem à Lei de Recuperação Judicial, cuja eficácia decepciona em seu primeiro teste para valer. Faltam segurança jurídica e espaço para negociação, dois elementos primordiais para fazer fluir as iniciativas que reconstituem a saúde das companhias. Enquanto isso, os investimentos privados em infraestrutura, requeridos para substituir os minguantes aportes do BNDES, esbarram em entraves como a modelagem das garantias e a oferta de taxas de retorno incompatíveis com os riscos. No setor de portos, o bem-vindo interesse de agentes privados é interditado por questões regulatórias e, segundo especialistas da área, por uma ingerência excessiva do Estado.

O quadro parece danificado o suficiente, mas o termômetro da confiança no Brasil pode alcançar temperaturas ainda mais baixas. Após numerosas conversas com analistas e autoridades, o repórter Rodrigo Petry descreve a contenda da CCR com o governo do estado de São Paulo para sustentar o aditivo contratual — generoso, é verdade — que a companhia assinara em 2006. Os estragos provocados pelo duelo atingem não só os papéis da concessionária e a confiança de seus investidores como também o potencial das captações de recursos voltadas ao financiamento da infraestrutura em geral.

Novidades

Esta edição inaugura a periodicidade bimestral da capital aberto, adotada para valorizar conteúdos de longo prazo e ampliar o enfoque em reportagens analíticas e investigativas. Nela aproveitamos para lançar e remodelar seções, em harmonia com o novo formato. Trazemos de volta a Papo Aberto, dedicada a narrar boas conversas com personagens interessantes; transformamos Histórias em Análise, com vistas a relacionar fatos atuais a precedentes históricos; Artigo passa a se chamar Opinião, agora mais concentrado em apresentar visões de mundo; e nascem Princípio e Antessala — a primeira, para contar como começaram as empresas líderes de serviços ou produtos atuantes no mercado de capitais brasileiro; a segunda, para promover o diálogo sobre questões da atualidade. Espero que gostem.



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM inclui derivativos nos cálculos de recompra e divulgação de participação relevante
Próxima matéria
Bom problema




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
CVM inclui derivativos nos cálculos de recompra e divulgação de participação relevante
Os contratos de derivativos entraram na malha fina da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A novidade é resultado...