O cerco se fecha

A questão ética curiosamente percorre esta edição de Seletas. Mas para quem não acredita em sorte ou coincidência, está tudo conectado — e está mesmo. Em workshop realizado pela Capital Aberto na segunda-feira, foi exaltado o cerco de autoridades e agentes do mercado às atitudes ilícitas cometidas …

Seletas/Edição 9/Editorial / 27 de novembro de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


A questão ética curiosamente percorre esta edição de Seletas. Mas para quem não acredita em sorte ou coincidência, está tudo conectado — e está mesmo. Em workshop realizado pela Capital Aberto na segunda-feira, foi exaltado o cerco de autoridades e agentes do mercado às atitudes ilícitas cometidas no mundo empresarial. Nas combinações de negócios, por exemplo, diligências rigorosas simplesmente eliminam do jogo companhias com suspeitas de irregularidades.

Dois dias depois, a ética volta ao púlpito em discussão sobre os conselhos de administração do século 21. Colegiados capazes de orientar a gestão sobre o propósito das organizações e criar valor sustentável no longo prazo são algumas das qualidades cunhadas para os conselhos modernos. Times plurais, que garantam visão crítica sobre as atitudes dos gestores, tornam-se essenciais, dizem os debatedores. O surpreendente episódio de prisão do banqueiro André Esteves minutos antes do início do encontro elucida os riscos que se pretende evitar. Os fatos reiteram: sofisticados programas de compliance e irretocáveis estruturas de governança podem não adiantar nada.

A prisão de Esteves expôs ainda os riscos de manter uma instituição umbilicalmente conectada ao seu fundador. Nela, um balanço saudável e um corpo de gestores geniais não são suficientes para aplacar os eventuais malfeitos do acionista superpoderoso. Em capa de abril de 2012, a Capital Aberto estampava caricaturas de Esteves e Mark Zuckerberg, dono do Facebook, alertando para os riscos das corporações que, na prática, dependem de um homem só. Ainda que as suspeitas contra o banqueiro não se sustentem, os perigos da fórmula centralizadora estão demonstrados.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A idade da razão (ou quando chegam os 40 anos)
Próxima matéria
A governança das estatais, seus administradores e o interesse público



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
A idade da razão (ou quando chegam os 40 anos)
A lei do mercado de valores mobiliários, que criou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), permitiu que o regulador...
estudo_aplicado_02-07

Promoção de aniversário

ASSINE O PLANO COMPLETO POR R$4,99 NOS TRÊS PRIMEIROS MESES!

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}