O alvo é maior

Seletas / Editorial / Edição 64 / 3 de fevereiro de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

Luis Stuhlberger, um dos mais prestigiados investidores brasileiros, falou sobre a política de Donald Trump a uma atenta plateia de convidados em evento promovido pelo Credit Suisse na última terça-feira. As farpas disparadas pela incompreensível política comercial do novo presidente americano, alerta o investidor, podem atingir um alvo precioso: a Ásia. Muito além da China, correm risco a região como um todo e as empresas globais que dela dependem.

Em sua coluna, Carlos Alberto Rebello descreve um futuro que está a poucas quadras de nós, dotado de novas formas de se investir e de se comunicar. E faz a provocação: quando esse tempo de fato chegar o que fará o Brasil, país que ainda obriga companhias a publicar seus balanços em jornais impressos?

Também nesta edição uma análise inicial do novo parecer dos auditores independentes. Pela primeira vez, esses profissionais compartilham com o público quais são os pontos dos balanços que mais demandam sua atenção. Não que haja necessariamente algo de errado com esses aspectos, mas o parecer coloca o trabalho do auditor na berlinda. Se surgir um problema com essas contas, e ele não tiver sido devidamente reportado, ficará mais difícil para os auditores defender as próprias razões.



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  editorial simone azevedo Donald Trump Stuhlberger reforma regulatória política comercial

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Lei de Falências favorece “ganha-ganha” com a venda de unidades isoladas
Próxima matéria
O futuro já começou




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Lei de Falências favorece “ganha-ganha” com a venda de unidades isoladas
Passados mais de dez anos de vigência da Lei 11.101/05, conhecida como Lei de Recuperação Judicial e Falências, é inegável...