Novas leituras

Editorial / Edição 75 / 24 de abril de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

desmanche de blocos de acionistas tem sido visto com alguma frequência nos últimos tempos. E seus efeitos originam situações interessantes para o estudo das relações societárias. Nesta edição de Seletas, a jornalista Yuki Yokoi chama atenção para uma assembleia da Light que aconteceria neste mês de abril. Nela, a principal acionista, a Cemig, proporia deliberar sobre duas alterações estatutárias que a alçariam — e também a Light — a uma condição distinta e, potencialmente, preocupante.

Também nesta edição, Ana Siqueira alerta para a extensão das crises corporativas. Para além dos credores e acionistas, elas impactam a sociedade como um todo, o que exige dos stakeholders uma nova postura. Os interesses das empresas, ela observa, não podem se sobrepor aos da sociedade. Se o Estado não exerce o papel de zelar por ela, cabe aos cidadãos tomar uma nova atitude.

Na seção Artigo, o advogado Renato Buranello discorre sobre a controvérsia semântica que envolve a definição de direito creditório do agronegócio. O conceito de cadeia agroindustrial e a expressão “direito creditório” são explorados no contexto da legislação para concluir quais relações econômicas são elegíveis, afinal, para gerar os créditos que lastreiam os certificados de recebíveis do agronegócio, os CRAs.



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie


Tags:  editorial simone azevedo

Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Análise de riscos é fundamental na aquisição de imóveis em leilão judicial
Próxima matéria
Ajuda: Aplicativo CAPITAL ABERTO




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Análise de riscos é fundamental na aquisição de imóveis em leilão judicial
Com o aumento da inadimplência no setor imobiliário, cada vez mais imóveis são colocados à venda em leilões judiciais....