Maconha no mercado de capitais?

Editorial da semana de 17 a 21 de setembro

Editorial / 14 de setembro de 2018
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Embora vista com receio e desconfiança, por ainda ser ilegal na maioria dos países, a maconha vem chamando a atenção de analistas e investidores do mercado de capitais. E não à toa. O Marijuana Index, que acompanha a evolução de 36 empresas listadas no Canadá e nos Estados Unidos, subiu 366% de janeiro de 2016 até meados deste ano, ante uma alta de 55% do Dow Jones. A valorização é um claro indício do potencial que os investidores enxergam nesse mercado, que é tema da reportagem de Pedro Arbex. Em seu texto, ele explora o avanço das empresas de Cannabis nas bolsas de valores e explica as oportunidades e desafios regulatórios que cercam essa indústria.

Outro destaque desta edição é o artigo de Andrea Chamma, escrito para a seção Ensaio. O texto se dedica a discutir a relação entre ruptura tecnológica e diversidade. O tema, observa a autora, é um verdadeiro exercício de futurologia, mas algumas premissas parecem consolidadas. Uma delas é que cabe aos conselhos de administração desconstruir a crença de que o que vale é apenas a experiência. Hoje o board capaz de lidar com a inovação, ressalta, é aquele que reúne perfis diversos e está disposto a encarar o desconforto e os custos de iniciativas de impacto incerto.

Também vale a pena conferir a coluna de Daniel Izzo. Nela, o gestor da Vox Capital aborda estratégias de saída para investimentos de impacto. De acordo com ele, esses desinvestimentos devem não só ser atrativos do ponto de vista financeiro, mas também precisam estar alinhados com a missão do negócio.

Já o artigo desta semana trata da recente edição da Instrução 602 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que dispõe sobre a oferta de contratos de investimento coletivo (CICs) hoteleiros. O texto, escrito por Raphael Moreira Espírito Santo, sócio do Veirano Advogados, enumera inovações estabelecidas pela norma e que podem ajudar a fortalecer esse mercado.

Uma novidade desta edição é a seção Explicando, dedicada a constituir um glossário de temas do mercado de capitais. Os textos apresentam não só a definição dos assuntos escolhidos, mas também elucidam sua aplicação prática. Para estrear a seção, Genésio de Carvalho, sócio titular da Ziel Financial Intelligence, escreve sobre o investimento em endowments no Brasil. Na próxima edição, o assunto abordado será o funcionamento da arbitragem.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM Investimentos Estados Unidos fundos endowment Canadá diversidade inovação Capital Aberto mercado de capitais inovação tecnologia endowments maconha Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
CVM avança na diferenciação de gestores e administradores de fundos
Próxima matéria
Tempo de eleições



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
CVM avança na diferenciação de gestores e administradores de fundos
Diferentemente do que ocorre com relação às companhias abertas, ainda são relativamente poucas as decisões da Comissão...