Governança para inglês ver

Editorial | Semana de 22 a 26 de outubro

Editorial / 19 de outubro de 2018
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


No começo deste mês, a Qualicorp protagonizou uma tentativa embaraçosa de driblar as melhores práticas de governança corporativa. Na manhã do último dia 1º de outubro, a companhia anunciou que seu board aprovara o pagamento da bolada de 150 milhões de reais a seu principal acionista, fundador, conselheiro de administração e diretor-presidente, José Seripieri Filho (mais conhecido como Júnior), em troca de sua fidelidade. Ao receber a generosa quantia, Júnior se comprometeria a não vender suas ações da empresa e a não abrir um negócio concorrente por um período de seis anos. Considerada descabida por alguns investidores, a decisão revelou o despreparo da Qualicorp para lidar com transações com partes relacionadas. Em sua reportagem, Rodrigo Petry explora os estragos causados pelo episódio e as falhas de governança que possibilitaram a assinatura do acordo.

Casos como esse evidenciam a importância de boards independentes. Mas esse não é o único requisito importante para um conselho de administração: a diversidade também precisa ser considerada, como defende Henrique Luz na coluna publicada nesta edição. De acordo com ele, qualquer grupo de profissionais formado por pessoas com gêneros, ideias e experiências distintas tem muito mais chance de ser criativo, objetivo, resiliente e humanizado.

Também vale a pena a leitura dos melhores momentos de dois encontros recentemente promovidos pela CAPITAL ABERTO. No Grupo de Discussão “Distratos Estabelecidos”, especialistas no setor imobiliário debateram a importância do projeto de lei 1.220/15 e quais devem ser seus impactos para investidores e construtoras. Já no evento “Cercadas de dados”, empresas como Cielo e Magazine Luiza e especialistas na área digital abordaram as oportunidades geradas pelo uso da ferramenta de big data.

Outro destaque desta edição é a seção Antítese. Leonardo Pereira, conselheiro independente e ex-presidente da CVM, e Ary Oswaldo Mattos Filho, professor sênior da Direito GV SP, respondem a uma questão relevante: a Lei 13.506/17 confere poderes excessivos à CVM? Não deixe de conferir os pontos de vista opostos desses dois renomados especialistas.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança CVM board Qualicorp setor imobiliário ​governança corporativa big data dados Distratos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Aliança polêmica
Próxima matéria
Tempos incertos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Aliança polêmica
Nesta semana, o destaque é a seção Antessala, dedicada à discussão da importância estratégica da joint venture de Boeing...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}