Entre o ético e o oportuno

Editorial/Edição 132 / 1 de agosto de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


A arte de investir com sucesso em companhias no longo prazo vai muito além dos números. Ou, melhor, muito além de qualquer coisa escrita. Por trás dos balanços, dos estatutos sociais, das políticas ou mesmo das leis, estão pessoas cujos comportamentos podem se revelar totalmente destoantes das letras. O quase bilionário empréstimo da Portugal Telecom (PT) ao seu acionista Grupo Espírito Santo, escandalosamente revelado em julho, expôs claramente essa contradição.

Como mostra a reportagem de Bruna Maia Carrion, a partir da página 16, a telefônica possui uma política com partes relacionadas detalhada e conservadora. Está lá: transações a partir de € 1 milhão têm que ser aprovadas pelo conselho de administração. Na vida real, porém, atitudes quebram regras. Embora o empréstimo seja 800 vezes maior que o piso e, ainda, de altíssimo risco, dada a cambaleante situação financeira do devedor, a operação não só aconteceu sem aprovação do conselho (segundo as declarações oficiais), como não teria sido informada a ninguém — nem mesmo aos sócios da Oi, cuja fusão com a portuguesa acabara de se concretizar.

E pensar que, algumas semanas antes, os minoritários da telefônica brasileira mergulharam nas letras da lei e da jurisprudência para tornar a transação mais ética. Eles tentaram convencer o regulador de que os donos da Oi não poderiam votar a respeito da incorporação dos ativos da PT que levaria à fusão: eles estariam, argumentaram, em situação de conflito de interesses, uma vez que a transação lhes era particularmente favorável por solucionar suas dívidas.

Se os comportamentos fossem simplesmente regidos pela ética, muita discussão teria sido poupada: os controladores abdicariam espontaneamente de votar, deixando aos minoritários a possibilidade de aprovar a operação com mais legitimidade. Assim como no caso da PT, porém, pessoas agiram da forma oportuna, a despeito do que diziam as normas — ou, nas circunstâncias da Oi, contornando as regras com uma astuta modelagem arquitetada para a fusão. Pena que a única oferta pública de ações deste ano estagnado tenha sido justamente a da telefônica. O exemplo não é nada proveitoso para um mercado de capitais que precisa urgentemente atrair empresas.

E, por falar em aberturas de capital, confira nesta edição uma análise dos impactos do pacote de incentivos anunciado pelo governo para promover a listagem de empresas médias. Os prognósticos indicam que as mudanças levarão tempo para acontecer, mas a iniciativa do Planalto de estimular o mercado vale uma comemoração.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  abertura de capital Oi CAPITAL ABERTO mercado de capitais fusão Portugal Telecom Telefónica incentivos Grupo Espírito Santos Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Muito além do futebol
Próxima matéria
O melhor do capitalismo



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Muito além do futebol
Não é apenas no futebol que a Alemanha soube se reinventar. Seu ambiente empresarial, frequentemente considerado rígido...