Securitizadoras unidas

Editorial | Semana de 3/7 a 7/7

Editorial / 8 de julho de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


No conteúdo publicado pela Capital Aberto esta semana, a batalha das companhias securitizadoras para convencer a Comissão de Valores Mobiliários a poupá-las na nova norma planejada para os certificados de recebíveis do agronegócio (CRA). A autarquia quer que as prestadoras de serviços assumam a tarefa de cobrar eventuais créditos não pagos mesmo quando o patrimônio em separado não for suficiente para cobrir essa despesa. Unidas, as securitizadoras encaminham ao regulador uma proposta alternativa, como mostra a reportagem.

Em sua coluna, Eliseu Martins propõe uma nova perspectiva sobre os sistemas de tecnologia desenvolvidos para impedir a corrupção nas organizações. Essas soluções, ele alerta, podem estar surtindo efeitos contrários ao que se espera delas. No espaço de artigos, o advogado Romeu Amaral reflete sobre o contexto de uma recuperação judicial envolvendo companhia aberta. O que acontece se um diretor de relações com investidores se recusa a fornecer informações ao administrador judicial por considerar que elas colocam em risco os interesses da companhia?

Reportagem de Luciana Del Caro descreve os desafios de uma seara sedutora do universo da gestão de recursos: os chamados investimentos de paixão. Com raros exemplos no Brasil, eles unem o útil ao agradável ao entregar a perspectiva de um bom retorno financeiro conjugado com ativos venerados pelos cotistas. As problemáticas da precificação e da confirmação da autenticidade, entretanto, complicam um tanto as coisas.

Também nesta semana um panorama internacional sobre os cada vez mais polêmicos fundos de índice — os chamados ETFs. Inicialmente desenvolvidos para ser uma maneira simples e barata de investir, eles tornaram-se alvo da criatividade ilimitada dos negociadores de títulos e transformaram-se em combustíveis poderosos para a volatilidade dos mercados. Seus perigos potenciais estão detalhados na matéria de Agatha Caroni e Mario Garcia.

Confira no novo aplicativo da Capital Aberto e aproveite para usufruir o pacote de reportagens gratuito que oferecemos aos leitores.

 


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Após oito anos, caso de insider trading na Aracruz chega a um desfecho na CVM
Próxima matéria
Judiciário começa a derrubar tributação nas permutas imobiliárias




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Após oito anos, caso de insider trading na Aracruz chega a um desfecho na CVM
Depois de oito anos, o caso de insider trading na Aracruz chegou a um desfecho na Comissão de Valores Mobiliários (CVM)....