Concorrência acirrada

Editorial | Semana de 21 a 26 de janeiro

Editorial / 18 de janeiro de 2019
Por 


Controlada por Bradesco e Banco do Brasil, a Cielo não ficou imune à ousada concorrência de nomes como PagSeguro e Stone, que recentemente se capitalizaram com bilionárias ofertas iniciais de ações. Em sua reportagem, Letícia Paiva mostra como o fortalecimento dessas novatas impactou o setor e os resultados da Cielo. Os efeitos do novo cenário são sentidos no seu balanço e também na performance das ações na bolsa. Nos 12 meses encerrados em 15 de janeiro, o preço da ação encolheu 51%.

Mais um destaque desta edição é o artigo de José Eduardo Pieri e Rodrigo Bastos, advogados do Barbosa, Müssnich, Aragão. O texto aborda os cuidados que as partes envolvidas em uma transação de fusão e aquisição devem ter diante da promulgação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que entra em vigor em 2020.

Também vale a pena a leitura da coluna de Henrique Luz sobre o primeiro ano da entrega do informe de governança, requerido pela Instrução 586 da CVM. O documento, vale lembrar, segue o modelo “pratique ou explique”. Em seu texto, Luz exemplifica situações em que as companhias tentaram “justificar o injustificável” e dá sua opinião sobre até que ponto foram fiéis ao espírito do novo informe. O balanço do primeiro ano dessa experiência, afirma, enseja esperanças.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Cielo Gestão de Recursos compliance LGPD Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Concessões sob nova direção
Próxima matéria
Explosão de gestoras



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você




Controlada por Bradesco e Banco do Brasil, a Cielo não ficou imune à ousada concorrência de nomes como PagSeguro e Stone, que recentemente se capitalizaram com bilionárias ofertas iniciais de ações. Em sua reportagem, Letícia Paiva mostra como o fortalecimento dessas novatas impactou o setor e os resultados da Cielo. Os efeitos do novo cenário são sentidos no seu balanço e também na performance das ações na bolsa. Nos 12 meses encerrados em 15 de janeiro, o preço da ação encolheu 51%.

Mais um destaque desta edição é o artigo de José Eduardo Pieri e Rodrigo Bastos, advogados do Barbosa, Müssnich, Aragão. O texto aborda os cuidados que as partes envolvidas em uma transação de fusão e aquisição devem ter diante da promulgação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que entra em vigor em 2020.

Também vale a pena a leitura da coluna de Henrique Luz sobre o primeiro ano da entrega do informe de governança, requerido pela Instrução 586 da CVM. O documento, vale lembrar, segue o modelo “pratique ou explique”. Em seu texto, Luz exemplifica situações em que as companhias tentaram “justificar o injustificável” e dá sua opinião sobre até que ponto foram fiéis ao espírito do novo informe. O balanço do primeiro ano dessa experiência, afirma, enseja esperanças.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Cielo Gestão de Recursos compliance LGPD Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Joint venture entre Boeing e Embraer agora só depende de aprovação de acionistas
Próxima matéria
Concessões sob nova direção



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você




Controlada por Bradesco e Banco do Brasil, a Cielo não ficou imune à ousada concorrência de nomes como PagSeguro e Stone, que recentemente se capitalizaram com bilionárias ofertas iniciais de ações. Em sua reportagem, Letícia Paiva mostra como o fortalecimento dessas novatas impactou o setor e os resultados da Cielo. Os efeitos do novo cenário são sentidos no seu balanço e também na performance das ações na bolsa. Nos 12 meses encerrados em 15 de janeiro, o preço da ação encolheu 51%.

Mais um destaque desta edição é o artigo de José Eduardo Pieri e Rodrigo Bastos, advogados do Barbosa, Müssnich, Aragão. O texto aborda os cuidados que as partes envolvidas em uma transação de fusão e aquisição devem ter diante da promulgação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que entra em vigor em 2020.

Também vale a pena a leitura da coluna de Henrique Luz sobre o primeiro ano da entrega do informe de governança, requerido pela Instrução 586 da CVM. O documento, vale lembrar, segue o modelo “pratique ou explique”. Em seu texto, Luz exemplifica situações em que as companhias tentaram “justificar o injustificável” e dá sua opinião sobre até que ponto foram fiéis ao espírito do novo informe. O balanço do primeiro ano dessa experiência, afirma, enseja esperanças.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Governança Cielo Gestão de Recursos compliance LGPD Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Joint venture entre Boeing e Embraer agora só depende de aprovação de acionistas
Próxima matéria
Concessões sob nova direção



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Joint venture entre Boeing e Embraer agora só depende de aprovação de acionistas
Na quinta-feira (10), o Palácio do Planalto anunciou que o presidente Jair Bolsonaro não vai exercer o poder de veto...
estudo_aplicado_02-07

Promoção de aniversário

ASSINE O PLANO COMPLETO POR R$4,99 NOS TRÊS PRIMEIROS MESES!

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}