Boa notícia

Editorial/Edição 127 / 1 de março de 2014
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


A década de 2003 a 2013 foi considerada de ouro para o mercado de capitais brasileiro. Nela aconteceu tudo: a evolução significativa da transparência e das regras de conduta das companhias, a sofisticação do arcabouço regulatório, o substancial aumento das captações com ações e outros títulos, e a consolidação de uma diversificada e robusta indústria de investidores institucionais. Um estudo da Direito GV a que a capital aberto teve acesso exclusivo desvenda outra evolução importante desse período que costuma ser menos comentada: a investigação e a punição de negociações indevidas com informação privilegiada.

Num mercado que se expande em número de participantes e volumes negociados, a sensação tende a ser a oposta: parece nunca terem sido tão frequentes os casos de insider trading. A boa notícia trazida pela pesquisa é que, junto com a evolução das condutas ilícitas, desenvolveu-se uma expertise de fiscalização e autuação. Ao dividir a década em dois períodos de cinco anos, os pesquisadores observaram um número bastante superior de processos e condenações na segunda metade dela, como mostra a reportagem na página 28.

Um contraponto a essa boa nova, porém, surge na matéria que vem logo a seguir: embora as punições tenham aumentado, ainda há espaço considerável para que elas sejam inócuas. Multas de valor irrisório, quando comparado ao ganho obtido com a infração, são uma forma de evitar eventuais exageros do regulador mas, também, um convite aos que preferem correr o risco ou simplesmente pagar um pedágio para conseguir o que querem. Casos como o do UOL são o indício de que o tema merece ser revisitado pelo regulador no futuro próximo.

Ainda nesta edição, os últimos lances da afinada partida de xadrez em que se transformaram as relações societárias na enrolada HRT. Listada na bolsa em 2010, a petroleira comercializou sua primeira encomenda de óleo somente este ano, às vésperas de o mais novo acionista, o empresário Nelson Tanure, tomar as rédeas do conselho de administração. Com um gosto particular por empresas com problemas, Tanure comprou as ações da companhia a centavos, neutralizou a influência de um fundo ativista americano e se aliou ao fundador — o mesmo que, agora, luta para conseguir receber uma indenização milionária da companhia que criou e nunca viu dar lucro. Está aí mais uma história para os fiscalizadores ficarem atentos e evitarem os maus exemplos. Foi em plena década de ouro que a HRT captou, com investidores de todo o mundo, nada menos que R$ 2,6 bilhões para realizar seus excêntricos planos de exploração.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Foco na cooperação
Próxima matéria
Por uma assembleia menos ordinária



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Foco na cooperação
Há um verdadeiro dogma de que a competição — entre países, empresas ou pessoas — leva à maior eficiência e prosperidade...