Abertura gradual

Houve um tempo no mercado de capitais em que atrair novos acionistas sem lhes conceder o direito a voto era prática habitual. Acionistas controladores emitiam apenas ações preferenciais e beneficiavam-se da condição de levantar recursos para seus projetos sem dividir poder. Num dado momento, a …

Seletas / Edição 7 / Editorial
/ 11 de novembro de 2015
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Houve um tempo no mercado de capitais em que atrair novos acionistas sem lhes conceder o direito a voto era prática habitual. Acionistas controladores emitiam apenas ações preferenciais e beneficiavam-se da condição de levantar recursos para seus projetos sem dividir poder. Num dado momento, a balança virou. A Bolsa de Valores criou o Novo Mercado, impôs o direito a voto às companhias que quisessem ingressar nele e foi enfaticamente apoiada por investidores, que trataram de pressionar as empresas a aderir à prática.

O tempo passou, e o mercado novamente sai em busca da situação de equilíbrio. Em seu novo código de boas práticas, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) abrirá uma brecha para estruturas mais flexíveis de controle, que não apartem totalmente os minoritários das decisões e, ao mesmo tempo, permitam a empresários bem-sucedidos manter suas participações de comando. Uma mudança sutil, mas fundamental, na forma como o principal orientador da boa conduta enxerga as relações entre controladores e minoritários, como mostra matéria nesta edição.

A adesão a estruturas acionárias que reduzem direitos políticos compensando-lhes com benefícios econômicos, no entanto, ainda é vista com cautela. A Comissão de Valores Mobiliários pediu à BM&FBovespa que desse um passo atrás na iniciativa de autorizar companhias a emitirem as ações apelidadas de superpreferenciais. O regulador não se posicionou contra, mas entendeu que o mercado precisa discutir mais a respeito. Adaptações como essas, afinal, costumam funcionar melhor quando a escolha é amadurecida.

Na reportagem de capa, uma informação exclusiva a respeito da visão da Receita Federal sobre a controversa tributação das opções de ações. Presentes em inúmeros planos de remuneração variável, as opções ensejam dúvidas sobre se configuram ou não salários e como os impostos devem incidir sobre elas. A Receita, ao que parece, não pretende esmorecer. Uma manifestação prevista para breve indicará como o benefício deverá ser computado para empresas e funcionários.


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Companhias abertas ignoram transparência sobre doações eleitorais
Próxima matéria
Estatais e sociedades de economia mista: basta fazer cumprir a lei



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Companhias abertas ignoram transparência sobre doações eleitorais
A tensão política no País acirra os ânimos em Brasília em torno de um tema sensível: as doações de empresas para...