Empreendedores

Expressão pode esconder manipulação pela palavra e esperteza retórica 



Imagem: freepik

D. João II deslanchou as navegações portuguesas enfrentando a nobreza, que preferia permanecer na zona de conforto, deixando as coisas como estavam. Ele abriu caminho para as grandes descobertas, entre elas o Brasil, onde há muitos espaços a ocupar (não necessariamente na Amazônia ou no Pantanal). 

Tempos depois, Portugal controlava o comércio das especiarias orientais e monopolizava a produção de açúcar, o ouro branco da época. Não gerou muitos empregos porque a nova potência, infelizmente, praticava a escravidão nas suas colônias. 

No início do ano, levantamento da consultoria Deloitte indicava que a maior parte das ações estratégicas das companhias brasileiras em 2020 estava direcionada à aquisição de outras companhias (41%), aquisição de produtos e marcas (38%), licitações e privatizações (31%) e concessões (18%). 

Não pretendiam, portanto, em grande parteocupar espaços, mas adquirir o que já existe. Ao contrário, afintechs e as cervejarias (atualmente existem mais de 400 no Brasil) abriram espaços em setores que pareciam completamente ocupados. 

Nos anos 6070, a concentração bancária foi estimulada, movimento que ganhou fôlego renovado nos anos 90, quando também chegou a onda das fusões e aquisiçõesno que passou a ser chamado de consolidação. São transações milionárias, que podem gerar lucros, benefícios fiscais e bônus elevados (830 em 2017, 967 em 2018 e 1.231 em 2019)alimentando a fábrica de desemprego aqui instalada. 

Em 2018, o então presidente da Infraero falava no plano de reduções sistêmicas de pessoal. Com 14 mil empregados, deveria reduzir a 4 mil, para ir ao mercado ou ser privatizada. Da mesma forma, quando uma empresa adquire concorrente, ocorrem demissões em massa. Assim, a máquina de triturar empregos é ligada nas duas pontas: da venda (antes) e da compra (depois). 

A manipulação pela palavra é antiga. Na esquisita terminologia que assola o País, o vendedor de mate nas praias, de corujas nas rodovias ou de bandeiras nos estádios seria um empreendedor. Sem demérito ao trabalho dessas pessoas, que é duro e pouco compensador, elas não são empreendedoras: são ambulantes sobrevivendo. 

Empreendedores foram, por exemplo, Leon e Max Feffer, José Alencar, Samuel Klein e Nevaldo Rocha que, do nada, criaram grandes companhias. No setor público, Vargas e Juscelino. Quantos empregos (e cidadãos) surgiram por conta dessa meia-dúzia de empresários e governantes?   

Muitos trabalhadores foram colocados na informalidade pelas consolidações. Chamá-los de empreendedores é apenas uma esperteza retórica. A informalidade cresceu 4% em 2019, chegando a 41,5% (31 milhões de pessoas) da força de trabalho. Além disso, segundo estudo da consultoria IDados, quase a metade dos empregos no País é de baixa qualidade — considerando salário, rotatividade, seguridade, jornada. 

A economia não cresce sem consumidores com trabalho formal e renda estável (que é tributada, contribui para a previdência e permite planejar a longo prazo). A reforma trabalhista de 2017 prometia milhões de empregos, mas isso não se concretizou. Por outro lado, os lucros provenientes do desemprego destroem politicamente as sociedades. 

Se o momento não é propício a grandes navegações, não seria exagero pensar que a retomada vai trazer oportunidades. Aproveitá-las requer atitude, como a de D. João II no século 15. Sem escravidão, claro. 


Carlos Augusto Junqueira de Siqueira é advogado. 

 

Leia outras crônicas

Reconstruções

“São demais os perigos desta vida”

Sinal fechado

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Instrução 627 não elimina dificuldades no enforcement privado
Próxima matéria
Forte propósito corporativo gera resultados financeiros melhores



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Instrução 627 não elimina dificuldades no enforcement privado
O percentual mínimo exigido de participação no capital social para proposição de ações de responsabilidade contra...