Poderes independentes prescindem de Poder Moderador

Recriar essa figura, incompatível com a República, para legitimar intervenção militar significaria atentado à Constituição



Nelson Eizirik
Nelson Eizirik é advogado no Rio de Janeiro e em São Paulo e professor da FGV Direito Rio ‎| Ilustração: Julia Padula

Os atos recentes do presidente da República, dirigidos contra a Constituição e o Supremo Tribunal Federal (STF), dominam as discussões, impossível ignorá-los. Vivemos sob uma espécie de golpe permanente, numa situação em que um presidente eleito democraticamente atenta contra o sistema mediante o qual se elegeu. Em nome da “liberdade” incentiva seus apoiadores (em número cada vez menor) a solapar os princípios constitucionais, dizendo jogar, em tosca imagem futebolística, “dentro das quatro linhas da Constituição”. 

Uma atitude manifestamente contrária à Constituição é a ameaça de empregar as Forças Armadas como “Poder Moderador”, em caso de disputa entre os poderes da República. A prevalecer tal equivocado entendimento, caso ocorresse um conflito entre o STF e o presidente, este poderia chamar as Forças para resolver a questão, com base no artigo 142 da Constituição, que assim dispõe: “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”. 

Ora, o Poder Moderador, na Constituição de 1824, era atribuído ao imperador, como poder pessoal de chamar quem desejasse para organizar ministérios, ignorando o sistema representativo. Já na época, na ácida crítica de Frei Caneca, constituía a chave-mestra da opressão da nação brasileira. Abolido o Império, enterrou-se a esdrúxula figura, incompatível com um sistema republicano baseado na separação dos três poderes. 

No sistema jurídico vigente não há qualquer hipótese de se recriar o Poder Moderador, atribuindo-o às Forças Armadas, para legitimar uma intervenção militar, o que significaria evidente atentado à Constituição. 



Defesa do Estado 

O artigo 142 não delega às Forças Armadas esse poder moderador. Está contido no Título V da Constituição, que trata justamente “da defesa do Estado e das instituições democráticas”. Assim, incumbe às Forças a defesa do regime democrático, incompatível, por definição, com qualquer forma de intervenção autoritária. 

Compete ao Supremo, precipuamente, não a qualquer outro poder, a guarda da Constituição (art. 102 da Constituição). E o STF, por meio de seu presidente, em ação movida pelo PDT no ano passado, concedeu liminar declarando que as Forças Armadas não exercem poder moderador em eventual conflito entre Executivo, Legislativo e Judiciário. 

A chefia das Forças, competência do presidente da República, constitui um poder limitado, não podendo ele intervir no Legislativo ou Judiciário, o que configuraria crime de responsabilidade, a justificar seu impeachment. 

Numa federação, nenhum poder prevalece sobre os demais, sob pena de se infringir a Constituição, pois entre eles não existe relação de hierarquia. Os três poderes são independentes e harmônicos entre si (artigo 2 da Constituição). Na interpretação da Constituição, a última palavra será sempre do Supremo. O Poder Moderador foi sepultado com a proclamação da República, não fazendo qualquer sentido incitar sua ressurreição para aumentar ainda mais nossa instabilidade institucional.  


Nelson Eizirik é advogado no Rio de Janeiro e em São Paulo e professor da FGV Direito Rio

Leia também

Lei das S.As. em reforma: uma oportunidade perdida

Cortina de fumaça encobre ESG na cadeia de alimentos

Meia-volta no sistema eleitoral

Manifestos em defesa da democracia reforçam protagonismo da sociedade civil


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Política Constituição de 1824 Constituição Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O potencial dos Fiagro
Próxima matéria
Curso Fusões e aquisições 2° Edição – 2021



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
O potencial dos Fiagro
O POTENCIAL DOS FIAGROS Evento online Webinar discute oportunidades e entraves ao desenvolvimento desse produto Assistir o...