Os próximos passos dos comitês de auditoria

Reconhecida a relevância desse órgão, atenções se voltam à formação e à valorização de seus integrantes

Contabilidade e Auditoria/Colunistas / 26 de julho de 2019
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


*Henrique Luz | Ilustração: Julia Padula

Há 80 anos, a New York Stock Exchange (NYSE) recomendou que as empresas listadas adotassem “um comitê especial do conselho de administração, composto por conselheiros externos ou independentes”. Talvez esse tenha sido o primeiro incentivo regulatório dado ao órgão de assessoramento ao conselho que hoje denominamos comitê de auditoria. Desde então, as referências regulatórias e autorregulatórias ao comitê se acentuaram.

Cerca de três décadas depois de recomendado pela NYSE, o comitê de auditoria passou a ser obrigatório para as empresas listadas na bolsa americana. Já em 1992, o Cadbury Report tornou-se o primeiro código de governança mundialmente reconhecido a incluir a adesão ao comitê de auditoria. Em 1998, novas recomendações foram feitas no Combined Code, o código britânico. Mas o que realmente impulsionou o assunto foi a Lei Sarbanes-Oxley (SOX), que em 2002 passou a exigir comitês de auditoria compostos somente por membros independentes (sendo ao menos um deles especialista em finanças), em resposta a escândalos corporativos marcados por fraudes contábeis.

No Brasil, o assunto é mais recente. Desde 2004, instituições financeiras, seguradoras e entidades de capitalização e previdência são obrigadas a manter o comitê de auditoria por determinação do Banco Central e da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Alguns anos depois, a Comissão Valores Mobiliários (CVM) instituiu o comitê de auditoria estatutário como critério para flexibilizar o prazo do rodízio obrigatório das firmas de auditoria independente. Embora a autarquia não tenha tornado o órgão obrigatório, algumas empresas, reconhecendo os benefícios de um órgão específico para assessorar o conselho, passaram a adotá-lo.

Em 2016, a exigência do comitê de auditoria estatutário passou a abranger parte das sociedades de economia mista e das empresas públicas, de acordo com a Lei das Estatais. No mesmo ano, o órgão passou a ser recomendado para todas as companhias abertas, segundo o Código Brasileiro de Governança Corporativa – Companhias Abertas, elaborado sob o modelo “pratique ou explique”. O movimento mais incisivo é também o mais recente: companhias listadas no Novo Mercado são obrigadas a ter um comitê de auditoria, seja ele estatutário ou não.

A evolução histórica evidencia a relevância crescente do comitê. Importância que, cabe enfatizar, está diretamente ligada às funções que normalmente exerce no assessoramento ao conselho de administração: supervisão do processo de elaboração das demonstrações financeiras e outras prestações de contas; verificação da efetividade dos controles internos, do mapeamento e do monitoramento dos riscos em todas as suas dimensões (há conselhos em que essa função é representada por comitê específico); a garantia do cumprimento da legislação e de regulações aplicáveis e de manutenção da conformidade dos atos da administração com princípios e padrões éticos.

A eficácia do comitê está muito atrelada à composição, à formação, à experiência e à interação entre seus membros, que preferencialmente devem ter expertise nas áreas de auditoria, gestão de riscos e compliance. E, por lidarem com temas caros às organizações, a independência dos membros é premissa básica, tanto no Brasil quanto no exterior. Mais do que garantir a conformidade, eles são responsáveis por avaliar a consistência e a integridade de informações.

Os comitês de auditoria ganham importância à medida que a transparência, o tratamento equitativo, a prestação de contas e a responsabilidade corporativa são valorizadas e demandadas pelos investidores, pelos governos e por toda a sociedade. Eles estão entre os mais destacados órgãos de assessoramento ao conselho e presentes em 53% das companhias abertas, segundo o Board Index 2018 da Spencer Stuart. O próximo passo nessa trajetória envolve a formação e a valorização dos profissionais que integram os comitês de auditoria. Assim, estaremos cada vez mais próximos de órgãos eficazes e à altura dos desafios que estão por vir.


*Henrique Luz (henrique@henriqueluz.com.br), CCIe, é membro independente de conselhos de administração e presidente do conselho de administração do IBGC


Leia também

O papel dos auditores na fiscalização do investimento incentivado em P&D

A fraude do auditor da Delloite — e a multa inédia de US$ 8 milhões

Tolerância zero: reguladores reforçam fiscalização às firmas de auditoria independente


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 36 00

Mensal

Acesso Digital
-
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Completa

R$ 42 00

Mensal

Acesso Digital
Edição Impressa
Desconto de 10% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Corporativa

R$ 69 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 15% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital

Clube de conhecimento

R$ 89 00

Mensal

Acesso Digital - 5 senhas
-
Desconto de 20% em grupos de discussão, workshops e cursos de atualização
Acervo Digital | Acervo de Áudios



Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  conselho de administração Comitê de auditoria Auditoria Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Os continuums da governança
Próxima matéria
Occidental Petroleum é a “vítima” da vez de Carl Icahn



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Os continuums da governança
Nos últimos anos, emergiu um consenso de que os conselhos devem ampliar seu foco para questões voltadas ao fator humano,...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}