O falso dilema entre o curto e o longo prazo em investimentos

Bons resultados no mercado de ações dependem também de escolha de ativos de qualidade e de gestores atentos



Alexandre Póvoa é fundador da Valorando Consultoria e autor dos livros “Valuation”, “Como Precificar Ações” e “Mundo Financeiro, o Olhar de um Gestor” | Ilustração: Julia Padula
Alexandre Póvoa é fundador da Valorando Consultoria e autor dos livros “Valuation”, “Como Precificar Ações” e “Mundo Financeiro, o Olhar de um Gestor” | Ilustração: Julia Padula

Era uma vez um investidor japonês que, em janeiro de 1990, resolveu aplicar em ações de empresas de seu país um determinado valor, com a intenção de garantir sua aposentadoria. Conversou com o gerente do banco, que logo entoou um famoso mantra do mercado financeiro: “Bolsa é investimento de longo prazo. O mercado acionário vai subir, vai cair, não se impressione com movimentos em um horizonte curto, não mexa no seu dinheiro”. Também recebeu um outro conselho, de um consultor de investimentos: “Esqueça a escolha de bons gestores. Na grande maioria dos casos, fundos passivos batem fundos ativos no longo prazo”. Confiante, o investidor decidiu colocar seus recursos em um fundo passivo indexado ao índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio. 

Durante 31 anos e nove meses — mesmo diante de crises intensas e momentos de euforia — o investidor manteve uma disciplina monástica: não tocou no investimento. Qual não foi sua surpresa ao constatar, em setembro de 2021, que havia perdido 22% do principal, sem considerar os ganhos com dividendos e as despesas com taxas de administração.   

Corta para o Brasil. Do início do Plano Real (melhor começar desse ponto, para contornar as distorções da hiperinflação de 1990 a 1994) até setembro de 2021, um investidor brasileiro que tenha investido num fundo indexado ao Ibovespa alcançou um retorno médio ajustado pela inflação de 4,7% ao ano. Mas o juro real (CDI descontado o IPCA de 8,3% ao ano) no mesmo intervalo foi 80% superior, com um risco largamente menor. Os exemplos japonês e brasileiro evidenciam que ações podem ser um péssimo investimento relativo sob a ótica do longo prazo. 

Ativo de qualidade 

Qualquer investimento, em qualquer lugar do mundo, só será bom no longo prazo se o ativo em questão tiver qualidade, com o retorno (combinação de margem e crescimento) que compense o risco assumido (retorno exigido). Simples assim. O investidor japonês ficou investido num país que, em média, cresceu pífios 0,9% ao ano entre 1990 e 2021, com perda de dinamismo econômico e luta permanente contra deflação. Já o brasileiro conviveu com um país que cresceu 2% anuais em média, com crises políticas, problemas fiscais e juro real médio próximo a 9% ao ano. Não há argumento de longo prazo que salve os dois casos.   

Portanto, desconfie se alguém quiser vender a compra ou a manutenção de sua posição de ações com o argumento de que “bolsa é um investimento de longo prazo”. Normalmente, isso ocorre quando você está perdendo um caminhão de dinheiro no curto prazo e essa crença vira uma desculpa para aliviar a sua tensão — ou encobrir erro de uma recomendação. Questione sempre a qualidade do ativo.  

O valor da gestão ativa 

A dicotomia levantada na recomendação do consultor de investimentos japonês do exemplo (“gestão passiva versus gestão ativa”) também é falsa. Pessoas com dor de dente buscam um dentista imediatamente. Um indivíduo que tenha um problema com a Justiça recorre a um advogado sem hesitar. Paradoxalmente, há uma enorme relutância em relação ao reconhecimento do importante papel do gestor de recursos ativo no cuidado com os investimentos — desde a alocação dos recursos do cliente entre as diversas classes, a decisão mais importante, até a escolha dos ativos em si. 

É possível listar centenas de ações que alcançaram desempenho excepcional nas últimas três décadas, tanto no Japão quanto no Brasil. E quem indicaria essas ações? Os fundos passivos? Não, os gestores de recursos ativos, profissionais que devem ser escolhidos pelos investidores com a mesma exigência aplicada a outras áreas de prestação de serviços. Cuidado com modismos ou preconceitos. Consistência é o nome do jogo em gestão de recursos.   

Qual é o papel do gestor de recursos no curto prazo? Apesar de acreditar que os maiores ganhos de qualquer portfólio virão de posições baseadas em fundamentos (com o preço de mercado convergindo para o chamado valor justo, o que às vezes demanda tempo), é injustificada a existência de preconceito em relação à filosofia de market timing. Não acredito que o fato de o gestor ter como linha-mestra a filosofia de valor (domínio do valor intrínseco), por exemplo, o desobrigue de entender as oportunidades de curto prazo (aproveitar e/ou se defender de momentos de overshooting-undershooting). A intensificação da complexidade dos mercados com a globalização é um fato, e essa realidade merece uma resposta inevitável: investimento em equipe. A fase do gestor “super-homem” ficou definitivamente para trás.  

Fundamentalismo ideológico 

Em épocas de turbulência econômica, gestores e analistas não deveriam confundir a boa análise fundamentalista — do patrono Ben Graham e de discípulos como Warren Buffett — com excesso de “fundamentalismo ideológico”, no sentido de o gestor “se recusar” a olhar para o que está acontecendo no curto prazo. Ativos em geral, por melhor qualidade individual que apresentem, estão inseridos no contexto da macroeconomia local e internacional. Por exemplo: recentemente, alguns preços de ações de ótimas empresas brasileiras caíram bastante e começam a chamar a atenção para compra, sobretudo as mais afetadas pela elevação da curva de juros, como nos setores de consumo, imobiliário e de tecnologia. Por outro lado, se o risco fiscal brasileiro continuar se exacerbando até as eleições e o clima de instabilidade institucional se mantiver, impactando as taxas longas de juros para cima e as expectativas de crescimento para baixo, a má notícia é que o que parece barato pode ficar mais barato ainda. 

Em um teste de estresse, experimente precificar uma ação brasileira usando uma NTN-B longa a 6% ao ano ou uma estimativa de PIB potencial mais reduzida na perpetuidade. Pode fazer uma enorme diferença comprar agora ou mais à frente. Da mesma forma, em ocasiões de euforia, ativos podem ficar aparentemente sobrevalorizados por anos, como foi no caso da bolha da internet no final do século 20.  

A luta diária do gestor de recursos, como em qualquer guerra, envolve estratégia e tática. Cabe a ele construir as grandes posições estratégicas com um olhar de longo prazo, buscando a convergência entre preço e valor — mas sem jamais subestimar o contexto de curto prazo capaz de levar a importantes decisões táticas que contribuirão sobremaneira para proteger ou maximizar o retorno do investidor. Essa é a obrigação fiduciária do gestor de recursos, seja no curto, médio ou longo prazos.  


Alexandre Póvoa (alexandrepovoa@globo.com) é fundador da Valorando Consultoria e autor dos livros “Valuation”, “Como Precificar Ações” e “Mundo Financeiro, o Olhar de um Gestor”

Leia também

Mercado de capitais na era dos influenciadores digitais 

Hora de rever as “cinco ilhas” da CVM

Regras mais flexíveis para agentes autônomos


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  gestão ativa gestor de recursos análise fundamentalista Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
O que esperar da auditoria independente na era dos dados
Próxima matéria
Tributação de dividendos incita novo planejamento patrimonial



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
O que esperar da auditoria independente na era dos dados
Valdir Coscodai é presidente do Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon) | Ilustração: Julia Padula O...