Negócios de impacto em tempos de covid-19

Crise evidencia importância das empresas que buscam soluções para melhorar a vida das pessoas

Colunistas/Bolsas e conjuntura / 3 de abril de 2020
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Já virou chavão afirmar que estamos passando por uma situação sem precedentes. Pela primeira vez na história da nossa geração não sabemos ao certo como vai ser o dia de amanhã. Como será o mundo pósquarentena? Como iremos nos adaptar a essa nova realidade? O distanciamento social vai ser necessário até quando? Quantos negócios irão sucumbir? O efeito social e econômico da quarentena será ainda pior do que o vírus em si? Muitas perguntas que, apesar de muita especulação, na realidade não conseguimos responder de maneira objetiva, pois experiências passadas já não nos servem para dar indicações para o caminho adiante. 

 Entretanto, mesmo com a crise inédita existem negócios que estão prosperando. Até agora, esses negócios parecem ser aqueles que, até antes da situação atual, já ofereciam soluções a problemas reais da população como um todo ou tinham uma proposta de valor que trazia claramente mais conveniência e facilidade para os seus clientes. No nosso portfólio de investimentos temos ambos os casos. 

No primeiro grupo está a Magnamed, empresa de ventiladores pulmonares, que sempre se preocupou em melhor equipar as UTIs do País para salvar vidas e que, agora, se tornou chave para solucionar a questão da sobrecarga dos hospitais brasileiros. A empresa está com demanda dez vezes maior que sua produção anual histórica, considerando apenas os pedidos no Brasil.  

Na segunda categoria se encaixa a Sanar, empresa de reforço escolar para servidores da área da saúde, que oferece cursos online para médicos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, entre outras especialidades. Em seu portfólio de produtos já havia conteúdo básico de alta qualidade e a preço acessível para a formação desses profissionais. Com a restrição às aulas presenciais, a demanda pelos seus serviços explodiu e a empresa está operando em outro nível de volume. 

Negócios com essas duas características devem ganhar relevância crescente no mundo pós-crise. Difícil imaginar um cenário contrário a essa visão. Empreendedores terão que pensar cada vez mais em oferecer soluções convenientes, mas, ainda mais importante, produtos ou serviços que se preocupem explicitamente em tornar o mundo um lugar melhor e mais igual para todos. A atual crise de saúde está escancarando a nossa desigualdade social e o despreparo que temos, como sociedade, para lidar com problemas mais complexos. Os negócios do futuro próximo precisam se propor a melhorar esse cenário. 

A busca incessante pelo ganho individual — com a preocupação egoísta acima de tudo, sem levar em conta as externalidades dos negócios e dos investimentos e seus impactos sobre outros stakeholders — criou uma sociedade frágil e pouco resiliente. De que adianta eu ter uma conta corrente polpuda e uma casa confortável se o mundo está ruindo ao meu redor? Por quanto tempo posso continuar a achar que estou protegido do que está acontecendo do lado de fora dos meus muros?  

O que a crise está pedindo é uma visão mais integral para a sociedade e para o modo como conduzimos nossos negócios. Uma visão mais colaborativa, de mais empatia e de mais serviço ao todo. Quando, finalmente, todos os negócios se preocuparem em criar impactos positivos como suas missões, teremos uma sociedade mais igual e com maior resiliência. Não podemos evitar que novos vírus e pandemias apareçam, mas podemos — e devemos — ser uma humanidade melhor quando a próxima onda chegar.


*Daniel Izzo (daniel@voxcapital.com.br) é sócio-cofundador da Vox Capital.


Leia também

As obrigações legais e regulamentares das companhias abertas em tempo de pandemia

A faca está caindo. Ibovespa a 50 mil pontos? 

Um ano de forte emoções — e deve ser só o começo


 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  investimento de impacto Coronavírus Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
As obrigações legais e regulamentares das companhias abertas diante da pandemia
Próxima matéria
Divulgação de fatos relevantes: como as atuais regras vêm sendo observadas?



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
As obrigações legais e regulamentares das companhias abertas diante da pandemia
É fato que o cenário econômico global mudou radicalmente. Os efeitos da pandemia do novo coronavírus devem...