Indústria de leite plant-based pode ajudar a mitigar crise climática

​Potencial econômico do setor, que tem menos impacto ambiental que a produção tradicional de laticínios, atrai cada vez mais o interesse de investidores​​



Daniel Izzo, sócio-cofundador da Vox Capital
Daniel Izzo, sócio-cofundador da Vox Capital | Ilustração: Julia Padula

A indústria de proteínas de origem vegetal, também conhecidas como proteínas plant-based, já movimenta globalmente 35,6 bilhões de dólares por ano, e deve alcançar 162 bilhões de dólares em 2030, segundo estudo da Bloomberg publicado em agosto. Mas nem tudo virá da carne vegetal. Leite e lácteos feitos de plantas também estão levando tecnologia para a indústria, atraindo consumidores nas gôndolas e investidores nos mercados de capitais. A expectativa é de que em 2030 essa vertical da produção plant-based movimente, sozinha, 62 bilhões de dólares no mundo.

Os motivos por trás dessa expansão extrapolam a bandeira vegana e o “ativismo natureba”. A tendência parte de duas frentes principais.

 A primeira tem caráter econômico-social e está relacionada à necessidade de aumento da eficiência na produção alimentos altamente proteicos — entre eles leite e derivados. A ciência já mostrou a importância da ingestão de proteínas para o ser humano e a indústria alimentícia, nesse contexto, tem que se preparar para atender, com produção eficiente e qualidade nutricional, os 10 bilhões de habitantes que o planeta terá em 2050. Hoje somos cerca de 8 bilhões, sendo 10% mal nutridos, um contingente dramático de 800 milhões de pessoas, de acordo com estimativas da FAO (Food and Agricultural Organization), braço da ONU para alimentação.

A segunda frente é ambiental. As mudanças climáticas estão mais que evidentes e a agenda pró-clima se tornou um imperativo também na indústria alimentícia e do agronegócio. Atualmente, cada litro de leite longa vida oferecido no supermercado é responsável pela emissão de 3,2 quilos de CO2. O impacto é gigantesco. No Brasil, por exemplo, cada habitante consome em média 170 litros de leite e derivados por ano (um dos maiores do mundo). Façam-se as contas para se observar a magnitude desse impacto negativo no ambiente.

Os desafios da indústria

Ocorre que a indústria tem desafios de tecnologia, cadeia de produção e obrigações fiscais que não passam despercebidos. Os investidores estão atentos aos pontos mais críticos e, principalmente, querem saber como os negócios se posicionam e trabalham para superar cada um desses obstáculos.

Um levantamento do The Good Food Institute feito junto a representantes da indústria plant-based chegou aos seguintes números:

— 72% buscam melhorias tecnológicas na produção

— 68% pesquisam ingredientes que tenham sabor e textura semelhantes aos das proteínas de origem animal

— 64% querem oferecer um produto clean label, com poucos ingredientes e sem conservantes (como o leite da marca Nude, por exemplo, que usa apenas aveia, água e sal)

A despeito dos avanços recentes, ainda são grandes as dificuldades para se replicar, na indústria plant-based, as características dos lácteos de origem animal. Quanto mais semelhantes sabores e texturas, maior poderá ser a atração de consumidores e, sabendo disso, a indústria tem atuado no desenvolvimento de novas tecnologias produtivas.

Insumos e impostos

Outro desafio é a oferta de matéria prima. O mercado ainda está descobrindo os ingredientes que melhor funcionam. E entre os que já foram aprovados (como cereais, oleaginosas e leguminosas, por exemplo), a maior parte é exportada ou usada como base para fabricação de produtos alimentícios de escala mais ampla.

Esse cenário de pouca oferta tende a aumentar os custos de produção de leite e laticínios plant-based, com reflexos também sobre o preço final. Um litro de leite de castanha hoje é vendido no varejo a 15 reais, ante 5 reais de um leite tradicional “de caixinha”. O aumento da escala de produção, via tecnologias industriais e maior disponibilidade de matéria prima, pode ser uma saída para o barateamento.

Mais um descasamento aparece na questão tributária: a indústria do leite de origem animal no Brasil paga menos impostos que seus similares plant-based. É necessária uma mudança nessa equação, já que é evidente a contribuição dos lácteos vegetais para a mitigação da crise climática.

Nesse contexto, é importante começarmos a discutir, pelo menos, isonomia nos tributos cobrados e nos incentivos fiscais concedidos a ambas as indústrias, no âmbito de um programa de políticas públicas para combate às mudanças climáticas.

Promover as proteínas plant-based não significa abolir a produção e o consumo da proteína animal. Particularmente no Brasil, que tem uma sociedade tão diversa, é essencial a pluralidade na oferta de alimentos.

O importante, mesmo, é oferecer à população a possibilidade de uma alimentação saudável e acessível, ao mesmo tempo em que a produção coexista em equilíbrio com o meio ambiente. 

Daniel Izzo ([email protected]) é sócio-cofundador da Vox Capital

Leia também

Empresas terão mais dificuldade para barrar propostas de acionistas

A corrida do setor de energia por alternativas sustentáveis

Fim do fast fashion?


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Vegan Crise climática Plant-based Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Ainda com lacunas, regulamentação de IA caminha no Brasil
Próxima matéria
As poison pills e a sua legalidade



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Ainda com lacunas, regulamentação de IA caminha no Brasil
O PL 21/20 estabelece princípios e diretrizes para o desenvolvimento e a aplicação da IA no Brasil, uma espécie...