Cultura de indolência gera demanda por especialistas

Contratação de serviços externos à companhia por vezes serve apenas para que administradores terceirizem responsabilidades

Companhias abertas/Colunistas / 28 de junho de 2019
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Raphael Martins | Ilustração: Julia Padula

Não é de hoje que se vê uma profunda simbiose entre administradores das grandes companhias abertas e especialistas. O primeiro grupo é facilmente identificável — engloba os diretores e os conselheiros de administração. O segundo tem contornos menos definidos. O especialista pode ser qualquer um que preencha dois requisitos: ser externo à companhia (independente ou nem tanto) e reconhecido como detentor de conhecimento específico sobre tema de interesse dela. Nessa ampla categoria, encontra-se de tudo — de consultorias de gestão a empresas de auditoria externa; de professores pardais a grandes conglomerados que apenas se propõem a analisar e a processar papel.

Alguns acreditam que a razão desse fenômeno residiria apenas num legítimo interesse dos gestores de contar com conhecimento especializado para a tomada de decisão ou para a execução de determinada política. Essa crença, entretanto, fica abalada quando se nota a proliferação da contratação de consultorias de duvidosa qualidade ou em áreas nas quais a empresa contratante já deveria ter o conhecimento específico. E não se sustenta diante da usual contratação de especialistas para trabalhos que são habitualmente feitos internamente.

Talvez o caso mais emblemático seja o da elaboração de laudos de avaliação. Desconhece-se empresas de grande porte sem profissionais habilitados a elaborar tais análises e que as produzam rotineiramente para auxiliar o trabalho de decisão dos órgãos de gestão. Curiosamente, quando precisam ser apresentados à aprovação da assembleia geral, a regra tem sido a terceirização da elaboração desses laudos de avaliação, mesmo que em muitos casos a lei não exija tal procedimento.

A explicação para a proliferação de consultorias, ao que tudo indica, está não apenas na preocupação com a qualidade do trabalho mas também numa convicção generalizada de que assim promover-se-ia uma terceirização da responsabilidade. Num paradigma de responsabilização que impõe ao gestor atuar com diligência, ele não fez ou deixou de fazer porque entendia correto, mas porque um especialista assim o orientou.


Leia também

O dilema da punição às estatais

Causa e efeito da não proteção do investidor

O estranho caso de dissonância entre acionistas


Um subproduto dessa mentalidade é a substituição da qualidade do especialista pelo renome. Isto é, uma vez que o objetivo do administrador é transferir responsabilidade sobre determinada matéria, é preferível contratar alguém que tenha renome do que outro cujo trabalho tenha mais qualidade.

Embora órgãos reguladores tenham sua parcela de culpa no fomento desse modelo de comportamento, ele começa a ser revisitado pela área técnica da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Em recente decisão envolvendo empresa concessionária do setor de energia elétrica, enfrentou-se o problema dos administradores que submeteram à aprovação da assembleia geral um laudo de avaliação (elaborado por especialista renomado) com relevantes indícios de que continha resultados inconsistentes — consequentemente, subavaliava o valor econômico da empresa.

Enfrentando a alegação de que não seria possível imputar responsabilidade à administração, tendo em vista a contratação de um especialista de grande reputação para elaboração da análise, a área técnica considerou que isso não seria suficiente para comprovar diligência. Nesse sentido, mesmo sem ser obrigado a dominar a técnica e a metodologia do avaliador, espera-se que o resultado produzido externamente seja validado e confrontado com o próprio entendimento da companhia sobre a matéria e resultados atípicos sejam questionados. Ou, dizendo de maneira mais coloquial: o especialista não exime a falta de bom senso ou a preguiça do gestor.

Superar a dependência do especialista parece ser uma missão impossível. Entretanto, deve-se travar a batalha contra a cultura da indolência que se instalou no relacionamento do administrador com os especialistas, em que estes servem de desculpa e explicação para a efetiva falta de diligência e de cuidado daquele. É uma luta difícil, mas factível.


Raphael Martins é sócio do escritório Faoro & Fucci Advogados




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Há excesso de rigor da Receita Federal na identificação de beneficiários finais pelos FIPs?
Próxima matéria
Os pontos de atenção do novo acordo de supervisão da CVM



Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Há excesso de rigor da Receita Federal na identificação de beneficiários finais pelos FIPs?
SIM A identificação de beneficiários finais dos fundos de investimento em participações (FIPs) é assunto que está...
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}