Resolução CMN nº 4.948 reduz custos e amplia possibilidades de hedge

Novo marco regulatório para transferências internacionais relativas a derivativos no exterior entra em vigor no próximo dia 3 de janeiro



Resolução CMN nº 4.948 reduz custos e amplia possibilidades de hedge
Atualmente, as transferências internacionais referentes à negociação de derivativos no exterior são regidas pela Resolução nº 3.312 do CMN, de 31 agosto de 2005 — Imagem: freepik

A Resolução nº 4.948 do Conselho Monetário Nacional (CMN), publicada no dia 30 de setembro de 2021 e que entrará em vigor em 3 de janeiro do próximo ano, remove restrições para pessoas físicas e jurídicas brasileiras realizarem transferências internacionais referentes a negociação de derivativos no exterior. A nova norma constitui importante mudança de paradigma em relação ao regime vigente, contribuindo para a maior inserção financeira do Brasil no mercado internacional.  

Limitações  

Atualmente, as transferências internacionais referentes à negociação de derivativos no exterior são regidas pela Resolução nº 3.312 do CMN, de 31 agosto de 2005. A referida regra possui caráter restritivo, ao prever que os derivativos celebrados no exterior objeto de transferências internacionais devem: 1) ser destinados à proteção (hedge); 2) estar referenciados exclusivamente nos riscos de variação, no mercado internacional, de taxas de juros, de paridades entre moedas estrangeiras ou de preços de mercadorias; 3) ser negociados no exterior em bolsas ou em mercado de balcão exclusivamente com instituições financeiras; e 4) ser registrados em sistema administrado por entidade de registro e de liquidação financeira de ativos autorizado pelo Banco Central do Brasil (BC) ou pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).  

Novidades da Resolução CMN nº 4.948 

Ao revogar a Resolução nº 3.312, a Resolução nº 4.948 suprime todos os requisitos descritos acima. Dessa forma, resumidamente, por meio de alterações pontuais no regime regulatório cambial, prevê que: 1) bancos autorizados a operar no mercado de câmbio podem realizar transferências referentes a negociação de derivativos no exterior, de qualquer modalidade regularmente praticada no mercado internacional; e 2) instituições financeiras podem manter aplicações no exterior de disponibilidades em moeda estrangeira em razão de derivativos contratados no exterior, de qualquer modalidade regularmente praticada no mercado internacional. 

O BC, por sua vez, também atualizou o seu arcabouço regulatório em linha com as alterações descritas acima, por meio da Resolução BCB nº 164, publicada em 23 de novembro de 2021. A referida norma permite que bancos autorizados a operar no mercado de câmbio deem curso a transferências internacionais decorrentes de derivativos no exterior, desde que observem os parâmetros vigentes no mercado internacional, assim como a legalidade e a legitimidade da operação, mediante avaliação de responsabilidades definidas em documentação. 

Benefícios e oportunidades 

Como é possível notar, há um importante caráter liberalizante na edição da Resolução CMN nº 4.948. Com a nova regulamentação, as remessas poderão ser realizadas com relação a qualquer modalidade de derivativos regularmente praticada no mercado internacional.  

Entre os potenciais benefícios vislumbrados pelo BC estão a redução de ineficiências e custos, maior integração entre os mercados internacional e doméstico, além da ampliação de possibilidades de hedge, inclusive para financiamentos externos e investimentos estrangeiros no Brasil.  


Pedro Eroles, Marianno Carneiro da Cunha, Luís Guilherme Vergueiro, Tarik Machado e Josué Poppi Carvalho são, respectivamente, sócio e associados e assistente jurídico do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. 

Leia também

Os investidores-âncora nas ofertas iniciais de ações

Reforma do Imposto de Renda: o que muda para as holdings familiares com o PL 2337/21

Efeitos da revogação do parágrafo único do artigo 1.015 do Código Civil


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Firmas globais de private equity são pouco inclusivas
Próxima matéria
Empresas ainda falham na prevenção a ataques cibernéticos



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Firmas globais de private equity são pouco inclusivas
O cenário incitou algumas das maiores firmas do setor, como Carlyle, Blackstone, TPG e Apollo Global Management,...