Regulamentação do FIP-PD&I pode viabilizar mais investimentos privados 

Portaria nº 4.382 do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação disciplina procedimentos para aprovação de projetos 



Regulamentação do FIP-PD&I pode viabilizar mais investimentos privados

Aportes por meio de FIP-PD&I conf, como isenção do imposto sobre a renda incidente nos rendimentos | Imagem: vectorjuice/freepik

O ano de 2021 começou com uma importante novidade envolvendo o ambiente regulatório brasileiro para investimentos em pesquisadesenvolvimento inovação (PD&I). Em 14 de janeiro de 2021, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) publicou a Portaria nº 4.382, disciplinando os procedimentos e os requisitos para a aprovação de projetos de investimento considerados prioritários na área de PD&I, para fins de emissão de debêntures incentivadas, e investimentos em novos projetos por meio de fundos de investimento em participações na produção econômica intensiva em PD&I (FIP-PD&I).  

Num momento em que novas tecnologias e inovações surgem a cada instante, com investimentos em venture capital em sua máxima histórica, a expectativa é de que a nova portaria do MCTI abra caminho para a viabilização de um maior volume de operações de investimentos privados em PD&I. Ao mesmo tempo, seria ampliado o leque de oportunidades de investimentos incentivados disponíveis para os investidores pessoas físicas.  

Regime tributário mais favorável 

A exemplo dos fundos de investimento em participações em infraestrutura (FIP-IE), veículo que tem tido relativo sucesso no mercado brasileiro de investimentos alternativos, os aportes por meio de FIP-PD&I estão previstos em legislação específica e conferem aos seus investidores um regime tributário mais favorável. Nesses fundos isenção (alíquota zero) do imposto sobre a renda incidente nos rendimentos e ganhos de capital auferidos por investidores pessoas físicas, bem como aplicação de uma alíquota de 15% do imposto sobre a renda para os rendimentos e ganhos de capital auferidos por pessoas jurídicas. 

A alíquota zero sobre os ganhos na alienação de cotas do FIPPD&I também se aplica aos investidores não residentes que investem no Brasil nos termos da regulamentação do Conselho Monetário Nacional (CMN) e que não sejam residentes ou domiciliados em países com tributação favorecida. Importante destacar que o referido tratamento tributário somente se aplica caso sejam atendidos determinados requisitos. Por exemplo, o FIPPD&I deve ter, no mínimo, cinco cotistas — sendo que cada um não pode deter mais de 40% das cotas emitidas ou auferir rendimento superior a 40% do rendimento do fundo.  

Faltava regulamentação do FIP-PD&I 

Apesar de já previsto na legislação há muitos anos, o FIPPD&I não ganhou a devida tração no mercado. Um dos motivos era a ausência de uma regulamentação apropriada que indicasse o caráter de PD&I de investimentos privados. 

Aqui, aliás, há uma diferença considerável em relação ao FIP-IE: os investimentos feitos pelo FIPPD&I (e, consequentemente, a aplicação do tratamento tributário mais benéfico determinados investidores) requerem prévia aprovação e “carimbo” do MCTI, uma burocracia que não existe para os FIP-IE, mas que, por outro lado, tende a conferir mais segurança quanto ao enquadramento do FIPPD&I às normas regulatórias e consequente aplicação do regime tributário mais benéfico aos investidores.  

Projetos prioritários 

São considerados projetos prioritários na área de PD&I (portanto, passíveis de investimento por FIPPD&I) aqueles que têm como propósito a introdução de processos, produtos ou serviços inovadores, conforme os princípios, os conceitos e as diretrizes definidas nas políticas de ciênciatecnologia inovação e de desenvolvimento industrialE para que um projeto seja considerado prioritário deve atender a pelo menos um dos seguintes requisitos: 

— vise à capacitação tecnológica para o desenvolvimento do sistema produtivo regional ou contribua para a autonomia tecnológica do País; 

— promova a competitividade empresarial nos mercados nacional e internacional; 

— estimule a atividade de inovação nas instituições científicastecnológicas e de inovação (ICTs), parques e polos tecnológicos no Brasil;  

— contemple a formação de redes e projetos internacionais de pesquisa tecnológica com a formação e a capacitação de recursos humanos qualificados;  

— gere ações de promoção do empreendedorismo tecnológico e de criação de ambientes de inovação; 

— priorize, nas regiões menos desenvolvidas do País e na Amazônia, ações que visem a dotar a pesquisa e o sistema produtivo regional de mais recursos humanos e capacitação tecnológica;  

— vise atender a programas e projetos de estímulo à inovação na indústria de defesa nacional;  

— amplie a exploração e o desenvolvimento da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) e da Plataforma Continental. 

Os FIPPD&I devem investir em sociedades de propósito específico (SPEs) destinadas ao desenvolvimento de projetos de PD&Ie novos projetos poderão constituir-se na expansão dos que já existem, foram implantados ou estão em processo de implantação — desde que os investimentos e os resultados da expansão sejam segregados mediante a constituição de SPE para tal fim. As SPEs deverão ser necessariamente organizadas como sociedade por ações, de capital aberto ou fechado. 

Vale destacar que a Portaria nº 4.382 se soma a instrumentos já previstos na legislação, como a Lei 8.248/91 (Lei da Informática), também regulamentada pelo MCTI e que, em resumo, confere determinados benefícios fiscais a empresas que invistam em atividades de PD&I, inclusive por meio de FIP, geralmente organizados como FIP de capital semente.


André M. Mileski (andre.mileski@lefosse.com) e Gustavo Paes (gustavo.paes@lefosse.com) são sócios, respectivamente, das práticas de fundos de investimento e tributário do Lefosse Advogados 

 

Leia também

Por que o stewardship é tão pouco praticado no Brasil?

Preocupação com interpretação do Judiciário marca debate sobre regra para fundos

Brasil entra na mira das SPACs


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  FIP PD&I Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Divulgação obrigatória de litígios gera preocupação 
Próxima matéria
Mercados de carbono ressurgem no Brasil 



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
Divulgação obrigatória de litígios gera preocupação 
Não foram poucos os ruídos recentes no mercado de capitais brasileiro relacionados a litígios. Pois a percepção...