Obrigações de administradores e gestores de fundos durante a pandemia

Situação extraordinária implica riscos de responsabilização perante investidores e regulador

Gestão de Recursos/Artigos / 22 de maio de 2020
Por , e


Articulista Lúcio Feijó Lopes fala discorre sobre obrigações de administradores e gestores de fundos durante a pandemia

*Lúcio Feijó Lopes | Ilustração: Julia Padula

A pandemia do novo coronavírus está impactando negativamente a maior parte dos fundos de investimento no paíse é importante lembrar que administradores e gestores têm obrigação fiduciária de agir para proteção do patrimônio do fundo, sob pena de risco de responsabilização perante investidores e reguladores. 

As carteiras de fundos são compostas, conforme sua classe, por cotas, ações, direitos creditórios e bens móveis e imóveis, ligados a indústria, comércio e serviços. Excetuados setores específicos, como agronegócio e farmacêutico, o valor dos ativos encarteirados derivados dos demais segmentos da economia estão, em geral, tendo seus preços marcados drasticamente para baixo — seja por inadimplência e piora expressiva na qualidade de recebíveis (como aluguéis, vendas antecipadas, crédito privado) ou por risco de insolvência (recuperação judicial) da empresa que recebeu investimento em equity. 

Esse contexto engloba os principais tipos de veículos em operação no Paísincluindo fundos de investimento em participações (FIPs) — sejam de private equity ou venture capital —, fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs)fundos de investimento imobiliário (FIIs)fundos multimercado de crédito (FIMCs), cuja gestão e compliance ante investidores, portfólio e regulador são feitas por administradores e gestores de valores mobiliários. 

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) recentemente editou o OfícioCircular 06/20, que se alinha às instruções normativas específicas para cada classe de fundo para tratar das obrigações de administradores e gestores frente às situações de inadimplência e depreciação de ativos associados à atual pandemia (também referidos como “fatos exógenos” pela autarquia). 

Dentre as numerosas obrigações que compõem o escopo de administração de condomínios de investidoresuma das principais é a obrigação de fazer. 

Ainstruções da CVM que regulam fundos de investimento — como a Instrução 578 (sobre FIPs), a Instrução 356 (FIDCs), a Instrução 472 (FIIs) e a Instrução 555 (FIMCs) — são taxativas em estabelecer que constitui obrigação essencial de administradores e gestores de fundos “exercer, e diligenciar para que sejam exercidos, todos os direitos relativos ao patrimônio e às atividades do fundoÉ uma obrigação afirmativa (affirmative covenantde fazer, de ação, de proatividade para proteção dos ativos e interesses dos cotistas. 

A forma de como esse dever é cumprido pelo administrador e gestor difere quanto ao tipo de ativo que integra a carteira do fundo. 

Em FIPs, por exemplo, cujo portfólio é composto por participações societárias de sociedades limitadas, companhias fechadas e abertas, a Instrução 578, no art. 40VIII, exige que gestor deve manter a efetiva influência na definição da política estratégica e na gestão da sociedade investida (…) e assegurar as práticas de governança (…)”. Isso significa que, neste período adverso de covid-19, é obrigação fiduciária que gestores ajam e auxiliem proativamente suas empresas investidas na tomada de decisões de gestão que visem preservar o valor do ativo. E, tão importante quanto isso, que as decisões feitas não agravem ainda mais eventual condição da investida, sob pena de risco de responsabilização. 

Tome-se como exemplo a situação de uma investida que considere ajuizar pedido de recuperação judicial (RJ)Ao ter que influenciar na gestão da empresa, o gestor do FIP deverá cuidar para exercer seu voto de apoio ou desaprovação com base em fundamentos financeiros, operacionais e jurídicos sólidos (e documentá-los). Isso porque se a direção tomada (de ajuizar ou não uma RJ) se mostrar desastrosa à empresa, agravando relevantemente sua condição e, por consequência, seu valuation, o gestor do FIP poderá vir a ser questionado por investidores e reguladores. 

No caso de FDICsFIIs e FIMCs que adquirem direitos creditórios, administradores e gestores têm por obrigação, prevista expressamente nas instruções 356, 472 e 555, respectivamente, ser diligentes na cobrança de créditos inadimplentes. A Instrução 472, inclusive, refere no art. 33, §1°, II, que constitui (…) violação do dever de lealdade do administrador (…) omitir-se no exercício ou proteção de direitos do fundo (…)”. 

 Com escalada da inadimplência a partir do final de marçoadministradores e gestores desses fundos têm o dever de agir no exercício do direito de credor. Isso inclui cobrar o recebível não pago, notificar e constituir em mora o devedor; se aplicável, renegociar as condições de pagamento do débito de maneira a não agravar a posição do fundo; e se não houver alternativa, executar ações extrajudiciais e judiciais de cobrança da dívida. 

No recente Ofício-Circular 06/20 editado pela CVM — que dispõe, dentre outros pontos, sobre o desenquadramento passivo de carteira de fundos e provisionamento durante períodos de exceção como o presente — autarquia menciona que avaliará, no que diz respeito à responsabilidade de administradores e gestores, se as medidas adotadas no decorrer de suas atividades de administração e gestão do fundo “foram compatíveis com o exigido pelas circunstâncias e em cumprimento de seu dever de diligência. 

Até o arrefecimento das condições excepcionais que os fundos de investimento estão enfrentando atualmente, que levará ainda muitos meses, administradores e gestores estão obrigados pela legislação e pelos regulamentos a exercer os direitos do fundo, para evitar o risco de responsabilização perante investidores e reguladores.


*Lúcio Feijó Lopes (lucio.feijolopes@feijolopes.com.br). Co-autoria de Edmundo Nejm (edmundo.nejm@feijolopes.com.br) e Fernanda Ferla (fernanda.ferla@feijolopes.com.br). Os autores são sócios da área de operações financeiras, mercado de capitais e fundos estruturados do Feijó Lopes Advogados. 


Leia também

Pandemia abre espaço para primeiras assembleias digitais

Fontes alternativas de liquidez em meio à pandemia

CVM se posiciona sobre distribuição de dividendos de FIIs durante pandemia



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  gestão de recursos FIDC FIP FII fundo de investimento Coronavírus Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Pandemia abre espaço para primeiras assembleias digitais
Próxima matéria
A hora da verdade para o stakeholder capitalism



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Pandemia abre espaço para primeiras assembleias digitais
Na mais recente temporada de assembleias gerais no Brasil, pelo menos 37 companhias listadas na B3 optaram por encontros...