A arte do investimento de impacto

Como usar a sensibilidade para avaliar o encontro entre a intenção e a ação de um negócio



Arthur Esteves é analista de venture capital na Vox Capital
Arthur Esteves é analista de venture capital na Vox Capital | Ilustração: Julia Padula

Os investimentos de impacto vêm ganhando força nos últimos anos, num avanço que se tornou possível graças à receptividade cada vez maior de diversos perfis de investidores e gestores. A tese de impacto sempre foi acolhedora, por motivos óbvios — mas, uma vez que ela se provou rentável e competitiva, não houve alternativa a não ser abraçá-la.  

Hoje existem pessoas que investem apenas para gerar um impacto positivo na sociedade, outras que perseguem só o retorno financeiro e, por fim, as que se movem pelos dois objetivos.  

A partir da confluência destes diferentes públicos e de seus perfis, é preciso reconhecer as sutilezas do investimento de impacto. De um lado, a categoria é capaz de neutralizar a dualidade histórica entre impacto e retorno, tão presente no mercado; de outro, ela evidencia um aspecto por muito tempo ignorado: a subjetividade.  

Segundo o Global Impact Investing Network (GIIN), “investimentos de impacto são feitos com a intenção de gerar impacto socioambiental positivo e mensurável, além de retorno financeiro. Portanto, de acordo com o GIIN, os critérios “intenção”, “mensurável” e “positivo” podem ser interpretados como os mais importantes para o sucesso de um negócio que busca gerar impacto.  

Mas como avaliar critérios tão subjetivos? 

O ponto de encontro 

Apesar de respirar essa pergunta dia após dia, foi andando em um museu de São Paulo e apreciando obras de arte que comecei a entender as sutilezas da resposta. Na ocasião, um grande amigo me ensinou que “a arte é o ponto de encontro entre a intenção e a ação”. Foi aí que a primeira ficha caiu. 

Um trabalho artístico, para ser considerado bem-sucedido, depende de alguns fatores. O primeiro é a intenção do artista na criação da obra. O outro é o próprio espectador que, com um olhar constituído por seu histórico de vida, aprecia a obra e avalia a intenção por trás dela. As partes se juntam quando entendemos que a função de qualquer obra é provocar um sentimento e uma reflexão em quem a aprecia. Essa é a sua ação. Quando o artista consegue construir uma ponte entre sua intenção e a ação, a obra ganha significado na vida das pessoas e, por fim, gera valor. 

Fazendo o paralelo com negócios de impacto: o empreendedor carrega a mesma intenção de gerar valor a quem mais precisa do seu produto ou serviço e o cliente final é quem testemunha e tem o poder de avaliar o efeito daquele negócio — ou seja, o seu impacto. 

Assim como a arte, o investimento de impacto está em constante busca do ponto de encontro entre intenção e ação. Mas, afinal, por que ele é tão difícil de encontrar?  

Acolhendo a dualidade  

Na minha opinião, há alguns motivos principais para isso. Primeiro: somos mestres em reconhecimento de padrões e a dualidade existe justamente para a fácil categorização das coisas. Mas, ao se neutralizar falsas prioridades entre critérios de análise, como o investimento de impacto faz com impacto e retorno financeiro, é possível abrir espaço para identificar e melhorar as relações que existem entre eles.    

O critério da intenção, por exemplo, pode ser avaliado por um padrão que mede o nível de conexão pessoal entre o empreendedor e seu público. O impacto gerado pode ser identificado pela métrica de NPS, que é uma forma padrão de mensurar a percepção do cliente. Mas um investimento que considere apenas esses fatores não significa, necessariamente, um investimento de impacto. 

É preciso ir além e avaliar a relação entre a intenção e a ação, entre o empreendedor e o cliente final. O desafio é complexo porque tanto a intenção quanto o impacto devem ser permanentes, mas suas manifestações podem variar. Com essa premissa, aceita-se que um único padrão de avaliação não é suficiente para avaliar o critério da mensuração. 

Teoria da Mudança, por exemplo, é uma ferramenta que busca organizar a relação sistêmica entre intenções de um negócio e seu desejo de impacto. Além de mapear as manifestações da intenção e as formas pelas quais o impacto pode ser gerado, ela identifica os indicadores a serem mensurados para acompanhar o nível de impacto causado pelo negócio.  

Geração de valor 

Uma Teoria da Mudança bem-feita materializa as relações entre intenção e ação, e serve como a principal ferramenta para a criação de valor de um negócio de impacto. Pode-se dizer que ela é o canvas de uma obra de arte. Conforme as mudanças forem acontecendo, a Teoria da Mudança preserva a essência da obra e garante que a intenção e a ação possam se encontrar.  

O que investidores de impacto precisam olhar não são os padrões, mas sim como eles se relacionam, o ponto de encontro. É necessária muita diligência para se encontrar o “canvas” certo e avaliar os critérios, que mudam de padrão conforme a empresa evolui. A competência do investidor de impacto deixa de ser apenas a gestão de ativos para ser também a gestão do significado desses ativos.  

É verdade que um investimento de impacto não evita externalidades negativas por completo. Mas o uso de ferramentas que eliminam a negligência (como a Teoria da Mudança bem feita) cria oportunidades de aprendizado, em vez de uma externalidade infeliz. 

Foi naquele dia no museu que comecei a entender que a resposta nunca será binária. Passei a entender também que as respostas, por serem relativas, só surgem a partir das perguntas certas. Como investidor de impacto, me pergunto constantemente qual é a minha intenção e a quem desejo servir. 

Qual é a sua intenção? E por quê? 


Arthur Esteves ([email protected]) é analista de venture capital na Vox Capital 

Leia também

Crise energética evidencia falta de investimento necessário para evitar mais uma década perdida

Gigantes do petróleo contra a parede

Sem mercado regulado de crédito de carbono, Brasil perde oportunidades 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Quero me cadastrar!

Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui > 2

teste

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Acessar loja >




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  ESG investimento de impacto Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A resiliência das ideias zumbis
Próxima matéria
Nomes de peso não passam em prova para adesão a regras de stewardship



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.

Leia também
A resiliência das ideias zumbis
Na obra Arguing with zombies, Krugman aborda as discussões e as escolhas de políticas nos Estados Unidos sob liderança...