Oportunidades com as alterações nos BDRs

Novas regras em discussão na CVM devem estimular a diversificação no portfólio de investidores brasileiros

Captação de recursos/Artigo / 31 de janeiro de 2020
Por 


CVM propõe alterações nas regras aplicáveis a BDRs

*Fernando de Azevedo Peraçoli | Ilustração: Julia Padula

A acentuada queda da taxa básica de juros no Brasil, hoje em 4,5% ao ano, recomenda maior diversificação na composição de carteiras de investimentos. E essa diversidade inclui ativos no exterior. A exposição a outros mercados se mostra ainda mais importante se forem consideradas a volatilidade e o tamanho do mercado brasileiro. A título de comparação, enquanto nos Estados Unidos há em torno de 7.200 empresas listadas em bolsa, com um valor de mercado de 42 trilhões de dólares, no Brasil há apenas cerca de 330 empresas, com valor de mercado total de aproximadamente 1 trilhão de dólares.

Nesse contexto, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) propõe alterações nas regras aplicáveis a investimentos em certificados de depósito de valores mobiliários — brazilian depositary receipts (BDRs). As mudanças propostas estão disponíveis para sugestões e resultarão em nova norma em 2020.

As modificações abrangem a ampliação do conceito de emissor estrangeiro, a possibilidade de investidores de varejo adquirirem BDRs patrocinados nível I e BDRs não patrocinados, a emissão de BDRs com lastro em títulos de dívida e a emissão de BDRs com lastro em cotas de fundos de índice estrangeiros.

A alteração do conceito de emissor estrangeiro permitirá a emissão de BDRs com lastro em valores mobiliários emitidos por empresa que tenha significativa presença no Brasil. Valores mobiliários de empresas estrangeiras com mais da metade de seus ativos ou receitas no Brasil voltarão a poder servir de lastro para BDRs, desde que os respectivos valores mobiliários estrangeiros sejam admitidos à negociação em “mercado reconhecido” pela CVM.

A sede da sociedade voltará a ser fator determinante para a sua caracterização como emissor estrangeiro. E para evitar que sociedades estrangeiras optem por jurisdições menos reguladas, com potencial prejuízo ao investidor local — como ocorreu nos casos Laep e Agrenco —, o principal mercado de negociação dos valores mobiliários em questão deve ser reconhecido pela CVM.

Essa mudança é uma resposta às recentes ofertas públicas realizadas no exterior por grupos brasileiros (como Stone, PagSeguro e XP), motivadas pela busca de captações em termos potencialmente mais benéficos. A perspectiva de múltiplos mais altos, a maior liquidez dos mercados e a possibilidade de maior captação de recursos com menor concessão de direitos políticos são as principais justificativas desse fenômeno.


Leia também

Venda de legal claims é opção para empresas reforçarem caixa

Em defesa da desburocratização de ofertas públicas

Infraestrutura na lista de interesses do private equity


 

Sobre a última justificativa, é necessário rediscutirmos o voto plural no Brasil. Muitas das ofertas no exterior contemplam a existência de duas classes de ações: a primeira, com direito a um voto por ação, é ofertada ao mercado; a segunda, que confere dez votos por ação (“voto plural”), permanece com os fundadores da sociedade. No Brasil a estrutura não é permitida.

Os principais argumentos para a vedação do voto plural são a preservação da relação poder e capital e o risco de abusos por parte do controlador. Quanto ao primeiro ponto, não vemos problema na não manutenção dessa relação se disponibilizada informação suficiente para a tomada de decisão de investimento. Há situações em que o desbalanceamento entre valor do investimento e direitos políticos pode se justificar e esse fato tende a estar refletido no preço do papel. Já sobre o segundo ponto, o risco continua presente, a despeito da existência ou não da nova estrutura.

Não se trata de simplesmente copiar modelos estrangeiros a fim de evitar a exportação de IPOs de negócios brasileiros, mas não podemos ignorar o fenômeno ou negar por completo a utilidade do voto plural. O problema não está no voto plural, mas sim na ineficaz responsabilização de abusos e consequente reparação de danos sofridos por acionistas minoritários. A solução aqui passa por um efetivo regime de responsabilização.

A possibilidade de investidores de varejo adquirirem BDRs patrocinados nível I e BDRs não patrocinados é outra mudança positiva. Não há razão para limitar a aquisição aos empregados da sociedade patrocinadora ou investidores qualificados. Essa reserva de mercado não se justifica e ao pequeno investidor também deve ser dada a possibilidade de exposição, via BDR, a companhias como Apple, Amazon e The Walt Disney Company.

A CVM também pretende permitir a emissão de BDRs lastreados em títulos de dívida. Bom para o brasileiro, que terá mais uma opção para a alocação de capital, e para emissores estrangeiros, que terão outra porta de acesso ao mercado de valores mobiliários local. O regulador propõe, ainda, a emissão de BDRs lastreados em cotas de fundos de índice. Esse é um passo inicial de flexibilização e é de se esperar que a experiência, se bem-sucedida, sirva de modelo para a emissão de certificados lastreados em cotas de outras espécies de fundos de investimento.

As alterações propostas pela CVM são positivas. Em um momento em que se acentua a necessidade de diversificação, ao investidor brasileiro será dado acesso a produtos e estratégias de investimento aqui não disponíveis, possibilitando a exposição a riscos não relacionados ao Brasil e ao mercado local. Há espaço para se argumentar que as mudanças deveriam ser mais rápidas e profundas, mas ao menos o regulador está sensível à realidade do mercado e caminhando na direção correta.


*Fernando de Azevedo Peraçoli (fperacoli@levysalomao.com.br) é advogado de Levy & Salomão Advogados. Colaborou Guilherme Carvalho Camargo (gcamargo@levysalomao.com.br), estagiário do escritório.

 


Leia também

Descompasso no setor imobiliário

CVM adverte companhia por não realizar OPA por aumento de participação

A retomada do financiamento corporativo imobiliário



Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CVM captação de recursos BDR fundo de investimento Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Stewardship: dever fiduciário dos investidores institucionais
Próxima matéria
[NOVA DATA] O valor da redução da emissão de carbono



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Stewardship: dever fiduciário dos investidores institucionais
O termo stewardship pode soar estranho, mas seu conceito é bem conhecido. O tema ganhou especial relevância após...