Não – A liquidez mundial está bastante elevada e deve vazar para a BM&FBovespa

Antítese/Edição 138 / 1 de fevereiro de 2015
Por 


antitese-naoMuitos se perguntam o que de fato causa o sobe e desce do valor das ações. Um esforço enorme foi feito por economistas e investidores no mundo inteiro durante décadas — para não dizer séculos — com o objetivo de entender qual seria a razão fundamental das oscilações de preços em mercados organizados. Afinal, quem descobrisse isso ficaria rico, ao sair na frente dos demais, vendendo antes de todos e comprando na véspera de começar a euforia.

Algumas hipóteses foram levantadas. A mais famosa diz que as expectativas são formadas de maneira racional: os agentes conseguem prever com razoável precisão o que vai ocorrer no futuro; os desvios em relação ao valor projetado seriam apenas passeios aleatórios. Essa teoria apregoa que, se os mercados tiverem substancial liberdade, os agentes criarão seguro contra tudo e, assim, o sistema como um todo se tornará mais robusto.

Depois de 2008, essa hipótese heroica caiu por terra. O que os economistas podem apontar sobre a bolsa, então? Será que não existe nada em que a economia pode nos auxiliar para entender os mecanismos subjacentes na formação de preços?

A palavra central aqui é expectativa. A bolsa de valores para um economista fornece informações valiosas. Apesar de não conhecermos a origem das expectativas, podemos afirmar com razoável certeza que o preço das ações é a expressão visível delas (quer sejam racionais, quer não sejam). Nesse sentido, o pregão acaba sendo um termômetro do humor dos empresários — mais particularmente, dos investidores profissionais —, o que reflete em parte as decisões de investimento da sociedade de maneira geral.

Queremos dizer, com esse raciocínio, que a bolsa em grande medida antecipa o que vai ocorrer com a economia. Se é verdade que 2014 foi um ano difícil e 2015 também será, isso implica que a bolsa teria que reagir a esse cenário negativo, caindo antes de a economia embicar (talvez o PIB se contraia por conta do pessimismo, mas a relação causal é difícil de determinar).

Acreditamos, de maneira geral, que 2016 tende a ser um ano melhor. Logo, é de se esperar que, apesar de a atividade afundar, o Ibovespa pode apresentar uma alta ao longo de 2015 antecipando o próximo ano. Cabe tomar cuidado, contudo. Muita gente acha que o Ibovespa é igual ao Brasil, mas não é. O índice da bolsa representa a variação do preço de algumas empresas, que não representam o País em sua multiplicidade. Existe uma concentração de 30% da carteira nos setores de commodities e exportação. As commodities podem melhorar em 2015, na margem, mas devemos aqui ter cautela: há ainda muito o que acontecer com o petróleo e o minério de ferro, por conta seja dos árabes, seja dos chineses.

No entanto, meu otimismo contido se dá por outro canal. A liquidez internacional está extremamente elevada. Para se ter ideia do tsunami monetário, os juros suíços para contratos de dez anos estão sendo negociados a -0,2%. Como a BM&FBovespa é uma das maiores bolsas do mundo e o câmbio brasileiro é relativamente livre, essa liquidez deve vazar para cá. Basta uma das agências de classificação de risco dizer que o Brasil é seguro para dar a senha aos investidores globais. É provável, portanto, que o índice da bolsa suba em 2015.


Dê a sua opinião:
[poll id=”20″]


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a três reportagens mensalmente.
Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 4,90 (nos 3 primeiros meses).
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o seu limite de {{limit_online}} matérias por mês. X

Ja é assinante? Entre aqui >

ou

Aproveite e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais!

Básica

R$ 4, 90*

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
-
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$36,00

Completa

R$ 9, 90

Nos três primeiros meses

01 Acesso Digital
01 Edição Impressa
10% de Desconto em grupos de discussão e workshops
10% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$42,00

Corporativa

R$ 14, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
15% de Desconto em grupos de discussão e workshops
15% de Desconto em cursos
Acervo Digital
sem áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$69,00

Clube de conhecimento

R$ 19, 90

Nos três primeiros meses

05 Acessos Digitais
01 Edição Impressa
20% de Desconto em grupos de discussão e workshops
20% de Desconto em cursos
Acervo Digital
com áudos**
A partir do 4° mês, o valor cobrado séra de R$89,00

**Áudios de todos os grupos de discussão e workshops.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Fim de linha
Próxima matéria
Sim - Já se pode esperar um ano muito difícil, com mais notícias ruins do que boas



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Leia também
Fim de linha
Recentemente, o Ministério da Fazenda deu a entender que tributará a letra de crédito imobiliário (LCI) e a letra de crédito...