Servidor estável, Estado ineficiente

Estabilidade do funcionalismo é uma herança da Era Vargas que as constituições posteriores não tiveram a coragem de revogar

Análise/Bolsas e conjuntura/Edição 147 / 1 de janeiro de 2016
Por 


65Não há dúvidas de que o Estado brasileiro e sua centena e meia de empresas constituem um conjunto amorfo prestador de péssimos serviços à população. As longas e constantes greves do funcionalismo público, usualmente em setores monopolizados (de fato ou de direito) pelo Estado e seus tentáculos, também castigam os contribuintes — sobretudo os mais vulneráveis na escala social. Esse quadro é conhecido, mas raramente se revela a origem dos descalabros. E ela está na instituição da estabilidade dos funcionários públicos e na miríade de vantagens de que desfrutam quando comparados aos empregados do setor privado.

A segurança de se ter um emprego vitalício é uma conquista corporativa. A implicação fundamental é a ausência das necessidades de competição e de demonstração de eficiência — elas só são importantes uma única vez, no concurso de admissão no serviço público. Aprovado na seleção e com um posto estável (desde que não faça qualquer loucura), o funcionário se sente seguro pelo resto da vida e não se preocupa em demonstrar diligência ou energia. Ele sabe que é suficiente cumprir os rituais burocráticos relativos às suas funções.

A partir do momento em que assume seu cargo, o funcionário público se torna dono da própria carreira; ele passa a ser, simultaneamente, patrão e empregado. Não deve satisfações a quem quer que seja e, pior, não tem preocupação com a origem do pagamento. Suas prerrogativas estão asseguradas desde que assine o ponto. E não se diga que existem hierarquia e disciplina — isso é coisa para militares, não para civis.

Mas nem sempre foi assim. As constituições do século 19 (as cartas de 1824 e 1891), cada uma por meio de um único artigo, responsabilizavam o funcionário público por seus deveres e obrigações, inclusive em relação aos subordinados. Não havia menção a quaisquer direitos ou prerrogativas dos servidores. A estabilidade funcional foi uma criação da Carta proto-fascista de 1934 (durante o primeiro governo de Getúlio Vargas), mantida pelo autoritário Estado Novo, de 1937. Trata-se de uma herança varguista que as constituições seguintes, de 1946 e 1967, não tiveram a coragem de revogar.

A revisão democrática de 1988 (levada a cabo num ambiente de esbórnia cívica) esbanja, em dezenas e dezenas de itens, todas as vantagens do funcionalismo público, inclusive a estabilidade em cargos e funções.

É essa a razão fundamental do mau funcionamento do Estado brasileiro. Seu corpo estatutário não pode ser removido se o desempenho for insatisfatório. E mais: a cúpula administrativa, nomeada pelo Poder Executivo, cumpre termos de apenas quatro anos, hoje renováveis, mas é demissível ad nutum. Não existe organização que funcione a contento em condições similares — muito menos a administração pública.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  CAPITAL ABERTO mercado de capitais Getúlio Vargas greve Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Geração “doidivana”
Próxima matéria
Enfim, os lucros



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Geração “doidivana”
Os millennials (também conhecidos como geração Y, formada pelos nascidos depois de 1980) são muito mais focados em experiências...
estudo_aplicado_02-07

Promoção de aniversário

ASSINE O PLANO COMPLETO POR R$4,99 NOS TRÊS PRIMEIROS MESES!

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}