Mentira em verso

Poema escrito há 36 anos emoldura o triste retrato da atualidade brasileira

Análise / Bolsas e conjuntura / 20 de maio de 2017
Por 


 

Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

Durante esses vários anos de colaboração para a CAPITAL ABERTO, sempre me dediquei a abordar temas históricos e econômicos. Desta vez vou fazer diferente: dado o atual quadro político, decidi comentar um assunto literário, que se encaixa como uma luva em nosso panorama.

Em 7 de julho de 1981, o poeta Affonso Romano de Sant’Anna publicou, no antigo Caderno B do Jornal do Brasil, um poema denominado “A Implosão da Mentira” (http://bit.ly/2hWV3bH). Era uma ácida crítica aos pronunciamentos públicos dos corifeus do regime militar, que já estertorava. A segunda estrofe era impactante:

“Mentem, sobretudo, impune/mente.

Não mentem tristes. Alegremente

mentem. Mentem tão nacional/mente

que acham que mentindo história afora

vão enganar a morte eterna/mente.”

Passados praticamente 36 anos, assistimos a uma incômoda proliferação de mentiras, burlas, embustes, falsidades, farsas, imposturas, lorotas, patranhas, petas e demais termos correlatos que podem definir esses engodos. As declarações são de diversos tipos, sempre negaceando, tentando iludir o público.

Vão desde a pura e simples negativa de evidências solares — por exemplo, a propriedade de bens imóveis, como um sítio e um tríplex — até solenes alegações de que a Justiça irá esclarecer os fatos. Exibem-se laranjas e testas de ferro de todos os tipos e tamanhos; bazófias de que as doações foram registradas e aceitas pela Justiça Eleitoral. Há também frases soltas, como “não sabia do caixa dois”, “isso é o que todo mundo sempre fez” ou “só vamos nos manifestar nos autos”.

O poema é extenso, não cabe nestas poucas linhas. Mas cabe pelo menos mais uma citação: adiante, Sant’Anna, com sua lucidez, indicava que aquelas balelas, imposturas e lorotas eram absolutamente inúteis. Não enganavam ninguém. Como na fábula, o rei estava nu.

“Mentem. Mentem e calam. Mas suas frases

falam. E desfilam de tal modo nuas

que mesmo um cego pode ver

a verdade em trapos pelas ruas.”

De fato, neste ano de 2017 a verdade caminha em andrajos pelas ruas das cidades brasileiras — sobretudo em Brasília, capital de onde emana e prolifera a sordidez que nos governa. Impressiona a atualidade do poema de Sant’Anna, que não parece ter sido concebido há tantos anos. Ele emoldura o retrato triste da atualidade brasileira.


Quer continuar lendo?

Você já leu {{limit_offline}} conteúdo(s). Gostaria de ler mais {{limit_online}} gratuitamente?
Faça um cadastro!

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie

Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Segredos corporativos
Próxima matéria
A maldição do vencedor




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Segredos corporativos
  Programação   A capacidade de captar, armazenar e analisar dados para ampliar ganhos ou identificar...