Campeões e campeões nacionais

É flagrante o contraste entre incentivos governamentais e os fornecidos pela competição em mercados livres

Análise / Bolsas e conjuntura / 15 de julho de 2017
Por 


Ilustração: Rodrigo Auada

Ilustração: Rodrigo Auada

O título deste artigo repete a palavra “campeões” propositalmente. O objetivo é ressaltar quais são os autênticos campeões nacionais, marcando uma diferença entre eles e aqueles que assim foram supostos. Como no regime militar, o lulopetismo tentou forjar lideranças empresariais, que competiriam com vantagens no exterior.

Quem conhece um pouco de história do período de 1964 a 1985 vai se recordar da Engesa – Engenheiros Especializados S.A., fabricante de equipamentos bélicos como os veículos Urutu e Cascavel. Era estrela de relevo no universo do primeiro impulso do Brasil-potência. Faliu em 1993, deixando respeitável passivo junto ao BNDES e ao Banco do Brasil.

Na segunda fase dos campeões nacionais, que nasceu com a ascensão do PT ao poder, em 2003, os beneficiários das vantagens federais foram de outros ramos: a Oi, dita supertele nacional; a JBS, líder mundial no setor de carnes; o grupo X, de Eike Batista. Todos campeões paridos pelo ventre largo do amparo estatal e amamentados pelos recursos dos mesmos bancos governamentais. Não por acaso, todos hoje enfrentam vastas dificuldades jurídicas e econômicas. Foram criações artificiais, que não passaram pelo endosso fornecido por uma competição no mercado livre.

Simultaneamente se desenvolveram os verdadeiros campeões nacionais — com destaque mesmo. Companhias abertas fidedignas, que se dedicaram a progredir e a ganhar status internacional sem estipêndios dos governos de ocasião.

Desde logo se sobressai a Ambev/Inbev, nascida no Brasil e hoje líder no mercado mundial de cerveja. A Natura, fabricante de cosméticos, acaba de dar um ousado lance de um bilhão de euros pela rede britânica de varejo The Body Shop. Finalmente, recentemente a imprensa noticiou que a capitalização da Lojas Renner, rede de varejo de vestuário, atingiu o equivalente a 90% do valor de mercado da gigante cadeia de lojas de departamento americana Macy’s, um ícone da economia ianque.

São exemplos flagrantes do contraste entre incentivos governamentais a desenvolvimento e estímulos fornecidos pela competição em mercados livres. Os primeiros sempre causam e fomentam prejuízos e derrotas, e os segundos produzem riqueza, vitórias e crescimento econômico. Só não enxerga o pior dos cegos, aquele que não quer ver.

 


Quer continuar lendo?

Faça um cadastro rápido e tenha acesso gratuito a algumas reportagens.

Tenha o melhor conteúdo do mercado de capitais sem limites ou interrupção.
Assine a partir de R$ 36/mês!
Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} reportagens gratuitas

Seja um assinante!

Você atingiu o limite de reportagens gratuitas. Que tal se tornar nosso assinante? Além do acesso ao mais especializado conteúdo do mercado de capitais, você terá descontos de até 30% em nossos encontros e cursos. Aproveite!


Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  JBS Oi Ney Carvalho BNDES análise Campeões nacionais financiamentoc Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
A “caixa preta” das assembleias gerais
Próxima matéria
A saga da BR Distribuidora




Recomendado para você




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
A “caixa preta” das assembleias gerais
São hercúleas as tarefas que se colocam diante de um acionista disposto a fazer ativismo assemblear. Além do custo...