Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
GDPR, versão brasileira
Projeto de lei aprovado no Senado promete colocar freio ao uso de dados por negócios digitais
GDPR, GDPR, versão brasileira, Capital Aberto

Ilustração: Rodrigo Auada

Nesta terça-feira, 10 de julho, foi aprovado no Senado Federal o projeto de lei de proteção de dados pessoais. Concebido e deferido na Câmara de Deputados, o PL 53/2018 é muito parecido com a GDPR, lei europeia que entrou em vigor em maio deste ano para disciplinar a coleta, armazenamento e processamento de informações pessoais. As diretrizes tornarem-se urgentes diante da expansão dos meios digitais e da captura de dados de pessoas para constituição de acervos que indicam comportamentos e tendências — o chamado big data.

Assim como a prima europeia, a versão batizada de Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) possui natureza extraterritorial. Tanto os dados brasileiros tratados no exterior como aqueles submetidos a empresas estrangeiras alocadas no País — e também os dados estrangeiros tratados por brasileiros — estão sujeitos à norma. Estão inclusos, ainda, padrões de fluxo de dados e a isenção de aplicabilidade para fins exclusivamente jornalísticos, artísticos e acadêmicos. A semelhança estende-se à nomenclatura de um dos órgãos de supervisão: Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e Privacidade (CNPD) é o termo adotado tanto no Brasil como em Portugal. Além do CNPD, que ditará as diretrizes da lei, o projeto prevê a criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), responsável pela aplicação e fiscalização.

Fabrício da Mota Alves, advogado especialista em direto digital e assessor legislativo no Senado, acredita que a legislação será benéfica para o mercado. “Seguramente, as mudanças somente prejudicarão as empresas que se recusam a agir em conformidade com os sistemas regulatórios. A história — e o exemplo europeu — revelam que as regras legais, quando ponderadas e justas, alavancam a atividade empresarial, agregando valor aos serviços e aumentando a confiança do consumidor”, afirma.

Entretanto, ele entende que alguns pontos cruciais para uma aplicação bem-sucedida foram deixados de fora. Entre eles está a ausência de uma norma expressa sobre a não aplicabilidade da lei aos dados anônimos — que não permitem identificar os indivíduos aos quais se referem — e aos dados de pessoas falecidas — a GDPR, ao contrário, deixa claro que, nesses casos, a lei não se aplica.

Outro ponto que ficou de fora da LGPD é a flexibilidade no tratamento e processamento de dados que recebem a chamada pseudomização. Nesse processo, as informações identificáveis, como nome, CPF e RG, são dissociadas de maneira segura do restante da base de dados que lhe atribui valor (como os comportamentos desses indivíduos, por exemplo). A GDPR oferece aos pseudomizados as mesmas regalias dos dados anônimos. A prerrogativa, entretanto, gera críticas lá fora — alguns autores afirmam que os dados apartados, se combinados de outras formas, podem identificar as pessoas.

Agora, o PL 53/2018 segue para a sanção do presidente Michel Temer, que deve fazer mudanças no projeto. “Há grande chance de trechos importantes da lei serem vetados”, afirma o advogado. Um dos principais, segundo Alves, é a criação da ANPD. Apenas o Poder Executivo pode criar novas administrações públicas e o aumento de despesas decorrente dele — a autoridade, no caso, foi desenhada pela Câmara dos Deputados. Para Alves, isso pode se tornar um grande problema. “Uma lei dessa natureza, sem uma definição clara sobre quem será a autoridade administrativa com a incumbência de exercer o poder de polícia e de implementação, será uma lei sem enforcement”. De outro lado, órgãos como Anatel, Bacen e Procon terão responsabilidades. Se uma empresa usar dados de ex-clientes para oferecer produtos de maneira indevida, o Procon poderá ser acionado, por exemplo.

Com a aprovação presidencial, a LGPD entrará em vigor 18 meses após sua publicação no Diário Oficial da União. Todos os dados pessoais tratados e recolhidos durante esse período não estarão submetidos à nova norma. Mais importante que as mudanças técnicas, a lei de proteção de dados irá modificar a cultura do consumidor brasileiro e das empresas. Os usuários que clicam em “aceitar” ou “permitir” a todo tempo em seus smartphones terão, finalmente, o direito de reclamar. Em jogo estará o insumo que atrai vultosas apostas dos investidores nos negócios digitais: os dados do que as pessoas querem e como se comportam.

 


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 9,90/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.