Pesquisar

|

|

Pesquisar
Close this search box.
Apesar de acima do esperado, payroll de junho pode dar incentivo para Fed cortar juros
No mês passado, a taxa de desemprego foi a grande surpresa, com uma alta inesperada
Payroll, Apesar de acima do esperado, payroll de junho pode dar incentivo para Fed cortar juros, Capital Aberto

O payroll, relatório de emprego dos Estados Unidos, divulgado nesta sexta-feira (05), mostrou um crescimento da criação de vagas em junho, que somaram 206 mil, acima da expectativa do mercado de 190 mil postos, segundo pesquisa da Bloomberg, embora tenha vindo abaixo do número de maio, quando a abertura de vagas ficou em 272 mil (que foram revisados para 218 mil). O que surpreendeu, no entanto, foi a taxa de desemprego, que teve uma alta inesperada.

As contratações e o crescimento salarial nos EUA diminuíram em junho, enquanto a taxa de desemprego atingiu o nível mais alto desde o final de 2021, a 4,1% (de 4% anteriormente), reforçando as perspectivas de que o Federal Reserve (Fed) começará a cortar as taxas de juros nos próximos meses.

Embora o payroll em si tenha vindo um pouco mais forte, o que chama atenção é que o dado anterior foi de 272 mil, revisados para 218 mil, enquanto os dados de abril foram ajustados de 165 mil para 57 mil, ou seja, há uma desaceleração no número de vagas. Ao todo, o crescimento de empregos nos dois meses anteriores foi revisado para baixo em 111 mil.

Após a divulgação do payroll, dados da plataforma CME Group apontava um crescimento nas chances de o Fed reduza os juros até setembro, que passou de 72,6% para 77,6%. Por outro lado, a chance de um corte de 0,50 pontos-base até dezembro, saiu de 45,3% para 47,2%, enquanto para o corte de 25 pontos está em 24,1%. 

“Também chama muito atenção a taxa de desemprego que veio 4,1% e no painel do qual Powell [Jerome, presidente do Fed] participou na última terça-feira, citando a taxa desemprego, afirmando que com uma taxa desemprego mais alta eles estão prontos para poder agir”, diz Jefferson Laatus, chefe-estrategista do grupo Laatus. “Com esses dados dá para dizer que o payroll veio estável e com um salário médio por hora estável abaixo dos anteriores também, isso mostra que a economia americana está sentindo a atual taxa de juros e está desacelerando, o mercado de trabalho está desacelerando e isso deixa um canal aberto para o Fed, de fato, poder cortar juros.”

O crescimento médio do emprego nos últimos três meses desacelerou para o menor nível desde o início de 2021, refletindo um mercado de trabalho que esfriou mais no segundo trimestre do que o estimado anteriormente. Os dados são consistentes com outros relatórios que mostram um declínio acentuado nas vagas de emprego neste ano e um número crescente de pessoas entrando com pedido de seguro-desemprego.

“Vemos a taxa de desemprego atingindo 4,5% até o fim do ano. Se atingir 4,2% no relatório de empregos de julho ou agosto, podemos ver o Fed começando a cortar as taxas na reunião do FOMC de 17 a 18 de setembro.”, dizem Stuart Paul, Eliza Winger e Estelle Ou, economistas da Bloomberg.

O crescimento salarial continuou a esfriar, segundo os dados do payroll. O salário médio por hora aumentou 10 centavos e junho, ou 0,3%, para US$ 35. Os ganhos médios por hora aumentaram 3,9% em junho em relação ao ano anterior, igualando o menor avanço anual em três anos. Os salários para funcionários de produção e não supervisores, que abrangem a maioria dos trabalhadores, aumentaram 4%.

“Do ponto de vista da política monetária, esses dados podem enviar sinais mistos ao Federal Reserve. Por um lado, a superação das expectativas pode levar o Fed a adotar uma postura mais cautelosa quanto a cortes imediatos de juros, dado que o mercado de trabalho ainda mostra sinais de força. Por outro lado, a tendência de desaceleração no crescimento do emprego poderia justificar uma abordagem mais dovish para apoiar a economia”, aponta Volnei Eyng, CEO da gestora Multiplike.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 9,90/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

Acompanhe a newsletter

Leia também

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.