O avanço das smart cities

Como as cidades brasileiras vêm usando a tecnologia para aprimorar sua infraestrutura urbana

Informações de Apoio / 8 de agosto de 2017
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão

Patrocínio

 

 

Programação

 

As discussões sobre como viabilizar as cidades inteligentes — nome dado aos grandes centros urbanos que usam a tecnologia para aprimorar sua infraestrutura de serviços — começam a ganhar vulto nos quatro cantos do mundo. No exterior, algumas cidades já caminham nessa direção. É o caso, por exemplo, da Califórnia. Por lá, 40% dos medidores de energia já são inteligentes, ou seja, leem o consumo e ainda informam se o cliente está gerando sua energia por meio de placas fotovoltaicas (que transformam a radiação solar em energia elétrica). Já em Cingapura, sensores instalados nas ruas e nos carros asseguram que os semáforos funcionem de acordo com o tráfego. Esses exemplos evidenciam como a internet das coisas (IoT) pode trabalhar a favor das cidades — e o Brasil está atento a essa tendência. Por aqui, prefeituras como a de São Paulo e Belo Horizonte já buscam soluções tecnológicas para modernizar suas cidades e solucionar problemas urbanos. Mas num cenário de aperto fiscal quais os caminhos para os gestores públicos viabilizarem investimentos nessa área? Como o mercado de capitais pode ajudar no financiamento desses projetos? Quais desafios impedem um avanço mais rápido do conceito de cidade inteligente? Essas e outras questões serão tratadas no Grupo de Discussão Infraestrutura.

 

8h15 – 9h00

 

Café da manhã

 

9h00 – 11h00

 

Debate com convidados

 

Daniel Annenberg

Secretário da Secretaria de Inovação e Tecnologia da Cidade de SP. Comandou a reestruturação do Detran-SP, maior órgão de trânsito da América Latina, entre 2011 e 2016. É um dos idealizadores do programa Poupatempo, reconhecido pelo padrão de qualidade no atendimento ao cidadão, projeto do qual foi superintendente por dez anos, entre 1996 e 2006. Foi sócio fundador da Res Pública, consultoria em serviços públicos na qual atuou por cinco anos (2006 – 2011). Trabalhou ainda na Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) e na Secretaria de Administração Federal, entre outros órgãos municipais como a Secretaria Especial da Reforma Administrativa da Prefeitura Municipal de São Paulo, onde contribuiu na elaboração do Guia de Serviços Públicos e na criação do projeto das subprefeituras. É formado em Administração Pública pela FGV e Ciências Sociais pela USP.

 

Eduardo Kaplan Barbosa

Coordenador da Frente de Cidades do Estudo de IoT do BNDES. Atua no departamento de tecnologia de informação e comunicação conduzido em parceria pelo BNDES e MCTIC. È economista formado pela UFRJ, com mestrados em planejamento urbano e regional pelo IPPUR/ UFRJ e políticas públicas e desenvolvimento pela Harvard Kennedy School.

 

João Thiago Poço

Gerente de desenvolvimento de negócios da Microsoft Brasil. Lidera a iniciativa de cidades inteligentes denominada Microsoft CityNext. Foi secretário-adjunto e chefe de gabinete na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, atuou como gerente de projetos de infraestrutura de TI na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo de 2002 a 2006. Exerceu a função de CIO na Informática de Municípios Associados (IMA) e na Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) de 2007 a 2010. Foi membro do conselho fiscal de empresas como Prodam e São Paulo Turismo S/A. Atualmente é graduado em ciência da computação com especialização em redes de computadores pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

 

Leonardo Luchiari

Sócio da área de infraestrutura e direito público do BSH Law. Atua em projetos de infraestrutura em áreas reguladas assessorando os clientes desde a concepção da respectiva modelagem jurídica, com a consequente participação no certame licitatório correspondente, até a celebração dos contratos necessários (públicos e privados), auxiliando na estruturação financeira do projeto. Atua em questões relacionadas ao direito administrativo, tais como participação em licitações, apresentação de defesas e recursos administrativos perante entidades públicas e comissões de licitação, bem como atuação junto aos diversos órgão de controle existentes. Coordena o grupo multidisciplinar de compliance, onde estrutura o programa de integridade de seus clientes. É formado pela PUC-SP e especializado em direito econômico e regulatório pela GVLaw.

 

Acessar a apresentação

 

Ricardo Kahn

Gerente de inovação da AES Brasil. É responsável pela estratégia de inovação e implementação de projetos nas empresas AES Ergos, AES Tietê e AES Eletropaulo. Anteriormente, liderou iniciativas relacionadas à inovação na Goodyear e na Telefônica, onde conduziu a implementação da aceleradora de empresas Wayra. É engenheiro de produção formado pela Poli-USP, mestre em administração de empresas pela FGV-EAESP e fez pós-graduações na Fundação Dom Cabral e na Faculdade Getúlio Vargas. Leciona sobre temas relacionados à inovação.

 

Romulo Horta

Diretor de marketing da Huawei Enterprise. Já passou pelas áreas de pré-vendas de soluções de infraestrutura de dados e de redes móveis para grandes operadoras e pela unidade de produtos de consumo, na equipe de terminais foi responsável pelo início das vendas de dispositivos móveis (celulares, modems 3G) para o varejo no Brasil.  Em 2011, entrou para o segmento chamado Enterprise, o qual traz soluções de tecnologia para o mercado coorporativo. Em Enterprise já passou pela linha de produtos de Comunicações Unificadas e Redes IP, além de ser o responsável pelo marketing da área no Brasil.

 

 

 

Participantes

Alessandra Ceccon – Capital Aberto

Alessandro Hidalgo – Suez

Byung Soo Hong – BSH Law

Carlos Marn – Ericsson

Carlos Mellis – Virtus Br Partners

Carlos Okada – Valid

Cedric Pereira – Valid

Cesar Fernandes – Valid

Claudio Nascimento – Atech S/A – Grupo EMBRAER

Daniel Annenberg – Secretaria de Inovação e Tecnologia da cidade de SP

Eduardo Kaplan Barbosa – BNDES

Fábio Fernandes – ZTE

Fabio Luiz Peduto Sertori – Felsberg e Pedretti Advogados

Fabio Ohara Ishigami – Vela Investimentos

Felipe Davini – Davini Ambiental

Guilherme Revitto – In Press Porter Novelli

João Thiago Poço – Microsoft Brasil

Leonardo Luchiari – BSH Law

Luis Scaglianti – CS Partners

Maíra Broetto – KPMG

Marcio Albuquerque – ZTE do BRASIL LTDA

Maria Flavia Seabra – Machado Meyer Advogados

Oestes Costa – CS Partners

Paulo Sérgio do Amaral – Caixa

Ricardo Kahn – AES Brasil

Roberto Rockmann – Capital Aberto

Romulo Horta – Huawei Brazil Enterprise Business Group

Simone Azevedo – Capital Aberto

Sotirios Ghinis – PwC

Suzi Hong Tiba – BSH Law

 

 

Avaliação do evento

 

Acesse o formulário de avaliação clicando aqui.



Participe da Capital Aberto: Assine Experimente Anuncie



Compartilhe: 


Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Investimentos sociais
Próxima matéria
Para o bem da arbitragem, cláusula compromissória deve ser simples e completa




Nenhum comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Leia também
Investimentos sociais
  Programação   Ainda que de forma tímida, fundações e institutos de origem familiar e empresarial...