Capitalismo consciente

Como atuam as companhias que não têm a maximização do lucro como objetivo principal

Informações de Apoio / 23 de fevereiro de 2018
Por     /    Versão para impressão Versão para impressão


Patrocínio

 

Programação

Escândalo corporativos recentes mostram as mazelas causadas pela busca desenfreada por lucro e pela falta de ética nos relacionamentos. Diante desse cenário, a ideia de capitalismo consciente surge como um novo caminho para a boa governança nas organizações. Basicamente, as empresas que seguem esse modelo não têm a maximização do resultado financeiro como principal objetivo. Para elas, o lucro deve ser consequência natural de um modelo de negócio baseado em uma cultura consciente, que valorize aspectos como confiança, transparência, integridade e criação de valor para toda a sociedade. Neste encontro, vamos entender como as companhias adeptas do capitalismo consciente funcionam e conhecer seus desafios. Como é seguir esse caminho num mercado em que o retorno financeiro ainda é prioridade? De que modo explicar esse modelo para os acionistas? Quanto as lideranças estão preparadas para praticar o capitalismo consciente? Esse modelo pode ser aplicado a qualquer tipo de negócio? Essas e outras questões serão debatidas no Grupo Discussão Governança Corporativa. Participe!

 

 

8h15 – 9h00

Café da manhã

 

9h00 – 11h00

Debate

 

Carlos Lessa Brandão

Coordenador do Grupo de Estudos de Governança e Ética do IBGC, sócio da JFLB Consultoria e Treinamento. Consultor em governança e sustentabilidade e professor convidado de programas de educação executiva. Conselheiro do Instituto Ethos, do Fundo Ethical e do Código ABRASCA. Atuou como diretor financeiro, em desenvolvimento de negócios e investimento em participações nos grupos Andrade Gutierrez e Vale.  Foi conselheiro do IBGC, do ISE – BM&F Bovespa e do Conselho de Stakeholders da GRI. Engenheiro, mestre e doutor pela UFRJ com MBA Executivo em Finanças pelo IBMEC.

 

Claudia Martins

Vice-presidente regional da Interface no Brasil.  Com a experiência de 12 anos na empresa, atua nas áreas de sustentabilidade, vendas e é responsável pela operação neste país. A integração de sua formação acadêmica em administração, MBA em marketing e especialização em sustentabilidade, possibilitou uma perspectiva única para a compreensão e engajamento profissional alinhados com a cultura da empresa, reconhecida mundialmente por suas ações em sustentabilidade.

 

Henrique Luz

Sócio da PwC, presidente do Conselho de Administração do IBEF. Foi vice-presidente do CRC-RJ e do Ibracon – 5° Seção Regional. Bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade Cândido Mendes. Diversos cursos executivos em Universidades do Canadá, Estados Unidos e Argentina.

 

Hugo Bethlem

Diretor geral do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, conselheiro de empresas e ONGs . Possui mais de 35 anos de experiência em varejo como executivo sênior de empresas como Carrefour, Hopi Hari, Se Supermercados, Dicico e Grupo Pão de Açúcar. Formado em administração e ciências contábeis com especialização internacional em gestão, empreendedorismo e conselhos de administração.

 

Luciana Villa Nova

Gerente de sustentabilidade da Natura, onde ingressou em 1996 pelo programa de trainee da empresa e, ao longo de sua carreira, acumulou experiência em diversas áreas, como Pesquisa & Desenvolvimento, Tecnologia, Inovação e Sustentabilidade. Responsável pelo Planejamento Sustentável Estratégico da companhia, incluindo a gestão de iniciativas sociais em comunidades amazônicas e do Programa Amazônia, que desde 2011 busca impulsionar um novo modelo de desenvolvimento para a região, mais inclusivo e sustentável. Luciana também está à frente de estratégias da empresa para inclusão social, desenvolvimento local, cultura interna e educação para sustentabilidade. Graduada em Farmácia e Bioquímica pela Universidade de São Paulo (USP) e possui especialização em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Gestão da Sustentabilidade pela Fundação Dom Cabral.

 

Marcel Fukayama

Co-fundador do Sistema B Brasil, empreendedor social e co-fundador da Din4mo. Também participa do movimento global de Empresas B. Formado em administração de empresas, com MBA e mestrado em administração pública (LSE). Foi reconhecido como um dos jovens da lista Forbes 30 abaixo de 30, apontado como um 10 CEOs mais inspiradores do Brasil pela GQ Magazine e escolhido um dos 12 jovens líderes globais pela Skoll Foundation e MasterCard Foundation. É empreendedor cívico pela RAPS e membro do Comitê de Investimentos do Instituto C&A.

 

Marcelo Coimbra

Representante da LRN Brasil, coordenador do Grupo de Ética e Governança Corporativa da Câmara de Comércio Brasil-Alemanha (AHK), diretor da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha. Também é professor do Instituto ARC (Auditoria, Riscos e Compliance), coordenador do Manual de Compliance da Editora Atlas, Ensino à distância. Graduado em Direito pela USP. Mestre pela USP. Doutorando em Direito pela Universidade de Colônia/Alemanha.

 

 Ricardo Glass

Fundador da Okena, empresa de tratamento de efluentes industriais de terceiros (offsite). Empreendedor e ativista das causas sociais e ambientais, é um dos líderes do movimento Capitalismo Consciente Brasil, e também presidente do conselho do Sistema B no Brasil, desafiando lideranças empresariais a repensar para que suas organizações existem e a reconhecer os papéis de suas empresas numa sociedade global interdependente. Além de também ser co-fundador e conselheiro dos Institutos Arredondar e Samuel Klein. Graduado em economia.

 

 

Participantes

Adilson Rodrigues – Instituto ARC

Alberto Araujo – MPro

Alexandre Ferraz de Oliveira – Intesa Sanpaolo

Alexandre Gonçalves – 17 Partners Assessoria

Ana Siqueira – Maple Consultoria

Augusto Schaffer – BNDES

Camila Cypriano Mano – EDP Energias do Brasil

Carla Duprat – Intercement

Carlos Eduardo Alvares Gonçalves – Derraik & Menezes Associados

Carlos Eduardo Lessa Brandão – IBGC

Claudia Martins – Interface Brasil

Claudio Gomez – PVG

Daniel Villar – Odebrecht

Fabio Cajazeira –  PwC

Felipe Dal Belo Nunes – ABNT

Fernando Goes               

Gracielle Silva – StepStone Group

Henrique Luz – PwC

Hugo Bethlem – Instituto Capitalismo Consciente Brasil

Jorge Manoel – PwC

José-Luis Menghini – Vinci Airports

Joyce Andrews – VLI Logística

Karina Principe – EDP Brasil

Leila Loria – LEDconsultores

Leonardo Paiva Rocha – Norte Energia – Usina Hidrelétrica Belo Monte

Luciana Medeiros – PwC

Luciana Villa Nova – Natura

Lucila Cestariolo – Gerdau

Manuela Loeser – TOTVS

Marcel Fukayama – Sistema B Brasil

Marcelo Coimbra – LRN Brasil

Marcelo Gasparino – Kepler Weber

Marcelo Santos – Credit Suisse

Marco Castro –  PwC

Michelle Ferreira – Instituto Capitalismo Consciente Brasil

Osmar Aguiar Júnior – GAE – Governança e Assessoria Empresarial

Otávio Villares de Freitas – OX8 Governança Corporativa

Paulo Bardella Caparelli – Viseu Advogados

Raquel Azevedo – ARSESP

Renata Linhares – Sitawi Finanças do Bem

Renato Gasparetto Junior – Gerdau

Ricardo Glass – Okena

Tatiana Regiani – Petros

Tatiana Vieira – Instituto Tatiana Vieira

Vicente Nogueira – Hidrovias do Brasil

 

Avaliação do evento

 

Acesse o formulário de avaliação clicando aqui.




Participe da Capital Aberto:  Assine Anuncie


Tags:  Natura PwC lucro Capitalismo consciente Encontrou algum erro? Envie um e-mail



Matéria anterior
Sustentabilidade e disclosure
Próxima matéria
Competitividade ameaçada



Comentários

Escreva o seu comentário sobre este texto!

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Recomendado para você





Leia também
Sustentabilidade e disclosure
Patrocínio   Programação Embora primordial, o desempenho financeiro já não é mais o único item observado...