Pesquisar
Pesquisar
Close this search box.
O silêncio de Powell sobre a “economia pós-Covid” decepciona mercados
Presidente do Fed reluta em reconhecer como a situação econômica dos EUA mudou desde que a pandemia afetou as cadeias de suprimentos e o mercado de trabalho
powell, O silêncio de Powell sobre a “economia pós-Covid” decepciona mercados, Capital Aberto

Para Rick Plympton, presidente executivo do fabricante de lentes de precisão Optimax Systems, não há volta para a economia após o Covid. O executivo enxerga “areias movediças” em muitos aspectos de seu negócio. A nova realidade enfrentada pelo executivo não é uma exclusividade do setor em que atua.

É difícil encontrar trabalhadores suficientes, os preços de insumos são mais voláteis e há intervalos mais longos entre a encomenda de equipamentos e sua chegada ao chão de fábrica da empresa de Ontário, Nova York. Também há um apoio reforçado em Washington para a indústria de fabricação de chips dos EUA – que usa lentes da Optimax – à medida que os políticos absorvem um panorama geopolítico alterado. Muitas dessas mudanças não são temporárias, na visão de Plympton. Mercados de trabalho apertados “estarão conosco por décadas”, diz ele.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, não está pronto para ser tão conclusivo. “A pandemia continua escrevendo a história de nossa economia agora”, disse ele aos parlamentares em 6 de março. “Devemos apenas estar preparados para sermos surpreendidos com o próximo capítulo.”

E as projeções econômicas para o longo prazo de Powell e de seus colegas do Federal Reserve oferecem um quadro de pouca mudança, apesar dos choques na cadeia de suprimentos, no mercado de trabalho e no contexto geopolítico dos últimos anos.

Os bancos centrais servem como condutores de uma nação, oferecendo descrições das tendências econômicas e explicando por que sua política se encaixa nos contornos de um momento específico. A falta de uma visão geral do Fed sobre porque o crescimento dos EUA tem se mostrado resistente às altas taxas de juros semeia volatilidade, pois os investidores têm que adivinhar qual a melhor resposta ao cenário. A volatilidade das taxas torna difícil para famílias e empresas planejar.

“Powell continua falando sobre normalização e reequilíbrio, mas você não pode voltar a 2019”, diz Jim Bianco, presidente da Bianco Research. “Sempre que temos um grande choque global, como em 2008 ou 2020, a economia muda.” Bianco, que analisa a economia dos EUA e os mercados financeiros há mais de três décadas, lista uma série de características na economia que parecem novas.

Os consumidores parecem ter uma maior propensão a gastar – talvez devido a uma maior confiança na segurança no emprego, ou até mesmo a uma mudança geracional longe da poupança preventiva, com as consequências da crise financeira de 2007 a 2009, agora mais distantes. A taxa de poupança pessoal foi inferior a 4% em média nos últimos dois anos, em comparação com mais de 6% ao longo da década até 2019.

As empresas atualmente parecem manter inventários preventivos à mão, com estoques no atacado funcionando em uma taxa mais alta em relação às vendas do que antes da pandemia. Na Optimax, por exemplo, atrair trabalhadores suficientes tem sido um desafio. Mesmo aumentos salariais e um plano de participação nos lucros que distribui 25% aos funcionários não foram capazes de atrair trabalhadores suficientes. “Pós-pandemia, temos mais empregos do que trabalhadores”, diz Plympton em entrevista para a Bloomberg.

Drew Greenblatt, presidente da Marlin Steel Wire Products em Baltimore, enfrenta o mesmo desafio. Enquanto ele percorre seu chão de fábrica e aponta para novas ferramentas de precisão que podem produzir mais peças por hora, ele está ansioso para encontrar pessoal qualificado para operá-las. “Isso está me matando”, diz ele. “Tenho toda essa tecnologia, e ela está inutilizada.”

Esses relatos ajudam a ilustrar por que a taxa de desemprego dos EUA está perto de mínimas históricas, abaixo de 4%, apesar do que os funcionários do Fed descrevem como uma taxa de juros “restritiva”. Os ganhos salariais continuam a correr a mais de 4% ao ano, contra uma média de 2,4% ao longo da década até 2019. Com a demanda ainda sólida, as empresas podem aumentar seus preços enquanto lidam com salários mais altos.

Para muitos investidores, a economia parece mais inflacionária a longo prazo, exigindo taxas de juros mais altas. O comércio de futuros sugere uma taxa de referência do Fed de cerca de 3,5% em alguns anos – um ponto percentual a mais do que a última previsão de longo prazo do Fed, que está programada para ser atualizada na reunião de política de 19 a 20 de março.

A política monetária funciona tanto pela comunicação das perspectivas quanto pelo aumento ou corte das taxas de juros. Se os investidores entendem como o Fed está pensando sobre o estado do mundo, reduz a volatilidade geral e diminui o prêmio adicional que os investidores pagam pelo risco.

No passado, a orientação do Fed ajudou a moldar as expectativas. Quando o crescimento econômico se acelerou na década de 1990, o então presidente do órgão, Alan Greenspan, destacou uma aceleração estrutural na produtividade que significava que os riscos de inflação tinham diminuído.

Hoje, Powell pode contar com enormes recursos para avaliar o que os choques pós-pandêmicos significam para a economia dos EUA. O Conselho do Fed tem duas divisões que fazem previsões econômicas domésticas e internacionais, bem como uma unidade de estratégia de política, em Washington. Houve mais de 700 equivalentes a tempo integral para 2023, com um orçamento de US$ 202 milhões.

Ainda assim, existem grandes riscos para um banco central que chega a grandes conclusões após um furacão econômico como a pandemia e os bilhões de dólares em apoio fiscal e monetário que se seguiram.

Hoje, declarar que a economia pode sustentar um ritmo mais rápido de crescimento graças a um novo “boom” de investimentos poderia arriscar ser interpretado como um endosso das políticas do presidente Joe Biden, com as eleições de novembro se aproximando. Alternativamente, afirmar que os EUA agora enfrentarão uma inflação mais alta e configurações de taxas de juros mais elevadas a longo prazo poderia alimentar os argumentos republicanos. Powell viu a sensibilidade política em primeira mão neste mês quando mencionou em uma audiência no Congresso que a imigração havia aliviado um pouco a pressão sobre o mercado de trabalho. Os legisladores o bombardearam com comentários sobre o assunto.

A colega de Powell no Banco Central Europeu, Christine Lagarde, julgou que a economia mundial pode estar “entrando em uma era de mudanças nas relações econômicas e rupturas nas regularidades estabelecidas”. Falando na conferência anual de Jackson Hole, Wyoming, em agosto do ano passado, Lagarde apontou três dessas rupturas: mudanças no mercado de trabalho e na forma como as pessoas trabalham, uma transformação nos mercados de energia e a fragmentação do mundo em blocos concorrentes. Embora não esteja claro se as mudanças são permanentes, elas têm sido “mais persistentes do que inicialmente esperávamos”, disse ela.

Os funcionários do Fed terão a chance de apresentar uma nova avaliação das mudanças subjacentes na economia quando o banco central iniciar uma nova revisão estratégica ainda este ano. A última, em 2020, concentrou-se em como lidar com o subdimensionamento persistente da meta de inflação de 2%. Provou ser mal cronometrada, pois foi concluída pouco antes do aumento do custo de vida.


Para continuar lendo, cadastre-se!
E ganhe acesso gratuito
a 3 conteúdos mensalmente.


Ou assine a partir de R$ 34,40/mês!
Você terá acesso permanente
e ilimitado ao portal, além de descontos
especiais em cursos e webinars.


Você está lendo {{count_online}} de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês

Você atingiu o limite de {{limit_online}} matérias gratuitas por mês.

Faça agora uma assinatura e tenha acesso ao melhor conteúdo sobre mercado de capitais


Ja é assinante? Clique aqui

mais
conteúdos

APROVEITE!

Adquira a Assinatura Superior por apenas R$ 0,90 no primeiro mês e tenha acesso ilimitado aos conteúdos no portal e no App.

Use o cupom 90centavos no carrinho.

A partir do 2º mês a parcela será de R$ 48,00.
Você pode cancelar a sua assinatura a qualquer momento.